Personagens: Jurema Baiana

Sizin üçün oyun:

Google Play'də əldə edin


Yüklə 45.84 Kb.
tarix02.08.2018
ölçüsü45.84 Kb.

ACARAJÉ DE JESUS
Personagens:

Jurema - Baiana

Tânia - Evangélica

Oséias - Pastor

Jesus criança

Yara- Baiana



Comprador
O espetáculo inicia em um culto da igreja...

Pastor: Boa Noite senhoras e senhores, hoje na nossa sessão do descarrego vamos livrar os senhores de toda a energia negativa, de todo o mal, de toda macumbaria, das doenças, dos pecados... Vamos tirar de vocês a pomba-gira que insiste em levar muitos para o mal... Agora pegue na sua cabeça, e ore meu filho, ore para tirar esse mal da sua vida, do seu caminho, do seu coração... Agora grita SAI, SAI, SAI!!!! Mas, tem que gritar com vontade, com força se não a pomba-gira não larga vocês, o tranca rua vai perseguir sua família, seu trabalho! Vamos minha gente, gritem com força SAI, SAI, SAI!!! Quem aqui já se sente mais leve? Mais feliz?

Tânia: Eu!!! Eu!!!

Pastor: Quem aqui sentiu uma coisa ruim saindo?

Tânia: EU, eu!!!

Pastor: Suba aqui minha filha! Aplausos para ela que é corajosa!!! Qual seu nome?

Tânia: Tânia pastor!!!

Pastor: O que sentiu?

Tânia: Eu me arrepiei e senti todas as energias negativas saindo de dentro de mim, saiu o tranca rua, as pomba-giras, a macumbaria inteira, graças aos anjos do senhor!!!

Pastor: Aleluia senhor!!! Aleluia!!! Pode sentar minha filha!!!

Tânia: Obrigada pastor! (descendo).

Pastor: Vou lhes confessar uma coisa, Deus está em todo lugar, quando estiveres em perigo, ore meu filho! Todo mal há de passar! Minha gente, eu estava passando pela rua, és que uma baiana me ofereceu acarajé!

Tânia: O quê? Mas que abusada! Que pecado!!

Pastor: Preciso confessar que o coisa ruim quase me fez comprar aquele bolinho... E até hoje estou com água na boca, muita vontade de comer acarajé.

Tânia: Saravá!!! Em nome do senhor!!

Pastor: Então pensei minha gente, eu quero comer acarajé, mas acarajé abençoado, feito pelas mãos de alguma irmã. Mas, tem que ser alguém corajosa pra aprender a fazer o acarajé e não se perder no meio do mal. Orar todo dia antes de fazer e quando terminar. Tem alguma irmã corajosa aqui?

Tânia: EU! Eu! EU! EU!!!

Pastor: Suba aqui novamente! Aplausos para ela minha gente!

Tânia: (pega o microfone do pastor) Eu vou, o senhor me tirou o mal, devo-te gratidão.

Pastor: Obrigado minha filha, a irmã é dedicada.

Tânia: Onde tenho que ir aprender a fazer o tal do acarajé?

Pastor: Então, só quem sabe fazer o acarajé são as baianas, então a senhora vai precisar aprender com elas, vai ter que ir no terreiro.

Tânia: Tá me testando né pastor? Acha que vou aceitar a proposta de ir no terreiro e abandonar a nossa igreja? Mas, eu não abandono é nunca!

Pastor: Fico contente por sua devoção, mas o senhor não faz testes com seus filhos... Ele sabe o amor que você sente por ele, mas saiba que aprendendo o acarajé, você terá a benção do senhor, pois você provará que mesmo no meio da perdição não se perdeu no caminho.

Tânia: Faz sentido pastor! Então terei que ir no terreiro?

Pastor: Apenas se estiver segura! Se não, convido outra irmã. Lembrando que a última irmã que foi aprender a fazer acarajé virou mãe de santo.

Tânia: EU vou! Se preciso provar a Deus o meu amor fazendo Acarajé, eu vou!!!

Pastor: Aplausos pra irmã! Agora vão em paz e que Deus os acompanhe irmãos! Aleluia!!!

(Na casa do senhor não existe satanás)

No terreiro... Batuques e baianas em uma festa típica da religião do candomblé.

Tânia entra e fica observando.


Tânia: Oi me ensina a fazer acarajé?! Oi, psiu moço, sabe fazer acarajé? Oi, oi... Sabe fazer acarajé? Pelo viso tá difícil aprender a fazer acarajé.

Yara: Olá...

Tânia: Oi.

Yara: Primeira vez no terreiro?

Tânia: Humrum...

Yara: Quer que eu jogue os búzios pra você?

Tânia: Mas é nunca que eu aceito uma coisa dessas.

Yara: Por quê?

Tânia: Isso é coisa do demônio, eu sou religiosa... Vim só visitar aqui o terreiro, mas acho que já vou embora.

Yara: Vai desistir do seu objetivo?

Tânia: Como você sabe que eu tenho um objetivo? Já sei, você tem a pomba-gira em você né mulher?

Yara: Vamos, deixa eu jogar os búzios pra você! Posso descobrir qual o seu orixá?

Tânia: Não! Não tenho orixá, tenho Deus no meu coração!!!

Yara: Joguei! (sorrir)

Tânia: (senta-se de frente pra ela e come a pipoca) O que diz ai?

Yara: Hum... Hum... Hum... Nada!

Tânia: Nada? No meu futuro não tem nada?

Yara: Não!

Tânia: Estás usando da psicologia né? Quer me deixar pensativa com esses teus búzios, mas eu sou segura de mim!!!

Yara: Então quer dizer que queres aprender a fazer acarajé?!

Tânia: Como você sabe? Quem te contou?

Yara: Fique tranquila, vou lhe ensinar! Amanhã venha aqui, às 15 horas sem falta. Mas, você é baiana? Porque é preciso ser baiana e estar vestida como tal pra fazer o acarajé!

Tânia: Nunca que eu venho... Sim, sou baiana, meu uniforme estava sujo irmã, sabe, só tenho aquela roupa, sou humilde, mas amanhã estarei aqui.

Yara: Muito bem, lhe aguardo. Mas, por que quer aprender a fazer o acarajé?

Tânia: Pra... pra... Vender! To precisando de dinheiro irmã. Muito obrigada! Ahhh, e essa pipoca é gostosa! Eu adorei!!!

Yara: Ahh sim, é pipoca do santo! Axé!!!

Tânia: (cospe e começa a orar, ao descer encontra a baiana Jurema fazendo um despacho). O que está fazendo ai mulher?

Jurema: Um despacho! Primeira vez que você veio ao terreiro? Seja bem vinda! (querendo abraça-la).

Tânia: Não me toca! Bem que o pastor disse que eu encontraria o perigo. Isso é macumba, não é?

Jurema: Não, é despacho!

Tânia: Nome de Jesus tem poder!!! (saindo).

(começa a tocar uma música)



Jurema: Adoro essa música!!! (corre pro terreiro).
No dia seguinte...

Yara: Boa Tarde Baianas!!!

Jurema e Tânia: Boa tarde!

Yara: Antes de mais nada, é preciso saber como surgiu o acarajé, que como bem sabemos é a comida sagrada de um orixá, a Iansã.

Tânia: Discordo! Tudo que existe é do senhor Deus!

Jurema: Não baiana, é de Iansã, não conhece a história? (breve resumo).

Tânia: Vou perguntar do pastor...

Baianas: O quê?

Tânia: Vamos logo pra melhor parte! Vai ou não vai me ensinar a fazer o acarajé?!

Yara: (Ensina a fazer o acarajé).

Jurema: Tânia, bem que podíamos vender acarajé juntas, né?

Tânia: Tchau baianas! Obrigado por terem me ensinado a fazer esse bolinho, agora irei colocar ingredientes abençoados!!! (tira o vestido de baiana).

Jurema: Han? Louca! É cada uma!!!

Tânia: E não adianta me denunciar pra fiscalização, vou sambar na cara de vocês!

Yara: Não liga não baiana, é a pomba-gira agindo no corpo dela, depois ela volta!!! Mas, oh o principal é, nunca fazer o acarajé fora do tabuleiro!
(Na igreja)
Tânia: Pastor, pastor Oséias... Aprendi a fazer o acarajé e não me perdi!!!!

Pastor: Ótimo, quando irei provar?

Tânia: Logo, logo pastor! Mas, é claro que será uma acarajé abençoado! Mas, me responda uma coisa pastor, Jesus comeu acarajé? Por que as baianas disseram que essa comida é de um orixá... E eu lembro que uma vez você disse que o senhor nosso Deus foi quem criou tudo!

Pastor: Não acredite nada do que elas disseram, esse pensamento veio da África, justamente onde o anjo do mal caiu e semeou essas outras... “religiões”.

Tânia: Ah sim, entendi... Então Jesus comeu Acarajé?

Pastor: Fez muitos mais que isso...
Flash
Tânia: Jesus, Jesus!!! Jesus Meu filho!! Vem comer!

Jesus: Bom dia mãe! Eu quero acarajé!

Tânia: Meu filho, seu pai hoje está sem dinheiro... Não tivemos como comprar os ingredientes pra fazer o acarajé, mas compramos pão.

Jesus: Eu quero acarajé, eu quero acarajé!!!! (escândalo).

Tânia: Não fique assim Jesus!!!!

Jesus: Se ao menos eu pudesse transformar pão em acarajé... Seria uma benção!!! É isso mamãe, vou transformar pão em acarajé!!!
Black

Pastor: E assim Jesus transformou pão em acarajé... Era uma receita de maria sua mãe. A propósito irmã Tânia, por que você não vende acarajé? Até pode ganhar uma renda extra! Pode até ser na frente da igreja!

Tânia: Ótima ideia pastor!!! Vou vender acarajé de Jesus!! E é agora mesmo!!! (desde e vende acarajé em frente a igreja) Acarajé de Jesus! Quem vai querer! Olha o Acarajé!!! Gostosinho!!!

Comprador: Me veja um acarajé moça!!!

Tânia: Olha aqui não é qualquer acarajé, é acarajé de Jesus. Então tem que dizer, me veja um acarajé DE JESUS!!!

Comprador: Me veja um acarajé de Jesus. (come) Hummmm! Moça, moça!! Veio a cara de Jesus no lenço, isso é um sinal! Eu to passando por uns problemas em casa, tenho me envolvido com as drogas... Acho que preciso ir na igreja!

Tânia: Jesus amado, é verdade! A cara de Jesus estampada no lenço! Meu acarajé é abençoado irmão, eu sou aqui dessa igreja, pode frequentar, será muito bem acolhido!!! Aleluia!!!

Pastor: Irmã Tãnia, tenho que agradecer, desde que a senhora começou a vender acarajé de Jesus na frente da igreja, muitas pessoas começaram a frequentar nossa igreja!!

Tânia: Ah pastor, não precisa agradecer, isso tudo é coisa do senhor! Vai querer um acarajé de Jesus hoje?!

Pastor: Claro que sim!!! Muito obrigado irmã!

Yara: Ora se não é a falsa baiana!

Tânia: O que é? To trabalhando!!! Circulando, circulando... Nada de trazer energias negativas e nem macumbaria pro meu estabelecimento...

Yara: Vou jogar uma macumba em você!!! Vou acender uma vela e colocar na encruzilhada a meia noite! Meu santo é forte viu! (saindo).

Tânia: Meu Deus é muito mais!!! Não tenho medo!!! (som de raio). Sabe de uma coisa? Vou vender meus acarajés no meio das baianas, vamos ver se eu não consigo vender mais!!! Jesus está do meu lado!!
(saindo)
Baiana Jurema: Olha o Acarajé... Gostosinho, é dos orixás, de Iansã... Rainha dos raios e dos ventos.

Tânia: Olha o Acarajé de Jesus... Faz milagre na sua boca, e não te leva pro mal caminho.

Baiana Jurema: Mas, o acarajé é de Iansã mulher, que ofensa.

Tânia: O Meu acarajé é de Jesus, que é diferente, e bota diferença do seu Acarajé, que é do terreiro de macumba. Você acha que as pessoas vão preferir comer o quê? Hein, hein?

Baiana Jurema: Mas o Acarajé é uma comida típica das Baianas, é uma oferenda a Rainha Iansã.

Tânia: Quem é Iansã?! Única Iansã que eu conheço, é da linda canção de Caetano... E Meu acarajé é feito de feijão preto. Eu sou é religiosa viu Baiana.

Baiana Jurema: Mas, é muito ignorante uma mulher dessa, ainda se diz religiosa, se fosse religiosa, entenderia todas as religiões. E saberia quem foi Iansã casada com Ogun, e seu dia de celebração é quarta-feira. E não ousaria fazer Acarajé sem as vestimentas de Baiana, e sua confecção só pode ser feita no tabuleiro.

Comprador: Eu quero um Acarajé!

As Duas: AQUI!

Comprador: Qualquer um, não tem diferença. Qual o mais barato?

Baiana Jurema: O meu acarajé tá custando 5 reais e 25 centavos...

Tânia: O meu Acarajé, que é de Jesus é Mais barato, 5 reais e 20 centavos, e melhor porque ele é de Jesus!

Baiana:Mas, isso é uma ofensa. Não lembro de Jesus ter comido Acarajé. Me prove que Maria fez acarajé vestida de Baiana no tabuleiro e serviu a Jesus. Isso é uma comida típica do candomblé. Axé!

Tânia: Que heresia, ah se o Pastor ouvisse você falar isso. Você não quer visitar a minha igreja, sem compromisso. Você vai ver sua vida vai mudar, e você vai ver que o Acarajé de Jesus vai te curar.

Baiana Jurema: Eu não to doente pra ser curada, eu vou, eu vou sim visitar a sua igreja... Desde que você vá comigo visitar o terreiro, e você sim, vai ser curada de tamanho preconceito. Porque macumbeiro é quem toca macumba.

Comprador: Espera ai, eu to reconhecendo você... Eu comprei um Acarajé de você mês passado.

Baiana: Acarajé esse que ela aprendeu com as baianas...

Tânia: É verdade, eu me disfarcei de Baiana pra aprender o Acarajé. Eu driblei a fiscalização, porque pra quem não sabe, o Acarajé só pode ser feito vestido de Baiana, e pra mim aquilo é só uma roupa, um uniforme. Eu aprendi a fazer, e dei a minha pitada de benção. Coloquei o adesivo de Jesus no tabuleiro.

Baiana Jurema: Que ofensa a Iansã. Não jogue um raio Iansã nela, ela não sabe o que faz. Jesus não comeu Acarajé Tânia, ele comeu pão. Ele partilhou pão e bebeu vinho. O nosso Acarajé não é do demônio, é de Iansã. Entendeu?



Comprador: Eu só quero comer um Acarajé ou tá difícil?! Tipo assim, não é querer falar não do Acarajé da Irmã. Mas eu já comi o Acarajé da rua e passei mal, mas quando comi o acarajé de Jesus, eu fiquei satisfeito. Ah dane-se se for ilegal. È 5 centavos mais barato. (compra e sai)

Baiana Jurema:Isso é um Amalá. Axé!

Tânia: Axé pra mim é um estilo de música. Assim, como para meus irmãos o Acarajé de Jesus é uma comida qualquer. Só comecei a fazer esse bolinho porque o pastor havia pedido pra alguma irmã fazer, e só eu fui corajosa de enfrentar os perigos e a pomba-gira no meio de vocês;

Baiana Jurema: Pior que não adianta falar, que a comida é de santo que ela não vai abrir os olhos. O jeito é continuar do jeito que tá, e para os nossos filhos ensinar sobre a importância da religião afro-brasileira.

Tânia: Sangue de Jesus tem poder, já pensou minha filha vestida de Baiana fazendo acarajé?

Baiana Jurema: O que você tem contra Baiana fazendo Acarajé, sua usurpadora; Só não te dou uns tapas porque você não tem culpa dos seus infelizes argumentos. Não teve estudo; Eu vou por seu nome na oração, e vou pedir pra Iansã não te castigar.

Tânia: Não, não preciso de tuas orações... Deixa que eu oro por mim. Eu confio no poder do meu Deus. Porque Jesus pode não ter comido Acarajé, mas alimentou seus filhos. Então, Acarajé só pode ser de Jesus!

Baiana Jurema: E meu Acarajé é do que do Diabo?

Comprador: Me veja um Acarajé!

As Duas: AQUI!

Comprador: Oxente, e tem diferença?!

Dostları ilə paylaş:
Orklarla döyüş:

Google Play'də əldə edin


Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©muhaz.org 2017
rəhbərliyinə müraciət

    Ana səhifə