Digitalizado e corrigido por



Yüklə 3,25 Mb.
səhifə2/20
tarix23.01.2018
ölçüsü3,25 Mb.
#40249
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   20

25

Portanto, o Secretário de Estado decidiu manter a ordem de deportação, e

enviar o Dr. Kelno para a Polónia.

Atenciosamente ao vosso dispor,

, John Clayton Hill.



Capítulo quinto

O guarda levou Adam Kelno para o envidraçado gabinete de consultas, e

ele sentou-se em frente a Robert Highsmith e Richard Smiddy.

- Vou direito ao assunto, Kelno - disse Highsmith. - Nós temos uma

grande encrenca. Nathan Goldmark conseguiu uma poderosa declaração

contra si. O que lhe diz o nome de Mark Tesslar?

Era evidente que Kelno sentia medo.

- Então? - insistiu Highsmith.

- Ele está em Inglaterra?

- Sim.


- Está tudo esclarecido. Quando o Governo polaco viu que não poderia

atingir-me mandou um deles para me apanhar.

- Como, um deles?

- Os comunistas. Os judeus.

- E Tesslar?

- Ele jurou que me destruiria. Há mais de vinte anos. - Kelno baixou a

cabeça. - Ó meu Deus! Que adianta isto?

- Vamos, homem, controle-se. Não é hora para desmaios. Temos de ser

espertos.

- O que desejam saber?

- Quando foi que conheceu Tesslar?

- À volta de 1930, na universidade onde estudámos. Ele foi aposentado

por praticar abortos e pensou que eu o tinha acusado. De qualquer modo, acabou

por completar os seus estudos na Europa. Na Suíça, penso eu.,

- Viu-o depois de ele ter voltado a Varsóvia para exercer clínica, antes da

guerra?


- Não, porém ele era muito conhecido por fazer abortos. Sou católico

romano e portanto é-me difícil recomendar o aborto. Algumas vezes, no

entanto, considerei necessária essa medida para salvar a vida da paciente e

houve uma vez que uma pessoa da minha família esteve em apuros. Tesslar

nunca soube que eu lhe mandava clientes. Havia sempre um intermediário.

- Continue.

- Por um azar do destino encontrei-o novamente em Jadwiga. A sua

reputação precedera-o. Em fins de 1942, os alemães tiraram-no do gueto de

26

Varsóvia e mandaram-no para o campo de concentração de Majdanek, perto



da cidade de Lublin. Lá, ele foi encarregue pelas SS de tratar as prostitutas

do campo para que não contraíssem doenças, e para provocar-lhes abortos

quando necessário.

Smiddy, que tomava apontamentos, levantou a cabeça.

- Como soube isso tudo?

- Essas coisas corriam rapidamente de um campo para o outro. Os médicos

formavam uma pequena comunidade e algumas transferências

ocasionais traziam-nos as notícias dos outros campos. Além disso, eu tinha

acesso a essa espécie de informação, sendo membro do movimento nacional

clandestino. Todos nós sabíamos quem era Tesslar quando ele chegou a Jadwiga,

em 1943.

- O senhor era o oficial médico mais graduado, portanto deve ter tido

muito contacto com ele.

- Não. Não aconteceu isso. Sabe, havia vinte pavilhões no complexo médico,

mas só nos pavilhões de um a sete é que os médicos das SS faziam as suas

experiências secretas. Tesslar morava lá. Ele é quem deveria estar a ser julgado,

não eu. Eu avisei-o de que seria julgado pelos seus crimes, mas ele achava-se

sob a protecção dos alemães. Quando terminou a guerra, Tesslar

alistou-se na polícia secreta comunista, como oficial médico, para poder

salvar-se. Foi então que jurou essas mentiras contra mim.

- Quero que me responda com muita atenção, Dr. Kelno - acentuou

Highsmith. - Alguma vez amputou testículos e ovários?

Kelno encolheu os ombros.

- Mas claro! Operei dezenas de milhares. Grandes e pequenas operações.

Os testículos e os ovários estão sujeitos a infecções como qualquer outra parte

do corpo. Quando os operei foi para salvar a vida do paciente. Lembro-me de

ter operado muitos casos de cancro e tumores nas glândulas sexuais. Mas o

senhor vê como se distorcem os factos. Nunca operei um homem são.

- Quem lhe fez essas acusações?

- Conheço todas as acusações de Tesslar. Quer que eu as repita? Estão

bem gravadas no meu cérebro.

- Muito bem - disse Highsmith. - Nós conseguimos um pequeno

adiamento a fim de permitir-lhe que responda às acusações de Tesslar. O

senhor deve fazê-lo de um modo claro, preciso, objectivo, impessoal e

honesto. Terá de responder a cada uma delas, ponto por ponto. Estude com

atenção este relatório. Amanhã estaremos de volta com um estenógrafo para

tomar nota do seu depoimento.

Nego, categoricamente, que me tenha vangloriado, na presença do

Dr. Tesslar, de ter actuado em 15 000 experiências cirúrgicas sem anestesiar

os pacientes. Um grande numero de pessoas já prestou depoimento a meu favor

e essa acusação só pode, pois, ser encarada como a mais vil infâmia.

27

Nego, categoricamente, ter operado qualquer pessoa sã. Nego ter sido



desumano com os meus pacientes. Nego ter participado em qualquer tipo de

cirurgia experimental.

É pura invenção do Dr. Tesslar dizer que na sua presença eu pratiquei

qualquer espécie de cirurgia. Ele nunca esteve presente, em nenhuma época,

em qualquer sala de operação, enquanto eu operava.

Muitos dos meus pacientes estão vivos e podem testemunhara meu favor,

e contestar a acusação de que as minhas cirurgias foram incorrectamente

efectuadas.

Tenho a sincera convicção de que o Dr. Tesslar fez essas acusações contra

a minha pessoa para diminuir o seu próprio sentimento de culpa. Acredito

que ele tenha sido mandado a Inglaterra afim de tentar destruir o que resta do

nacionalismo polaco. O facto de ter pedido asilo à Inglaterra é apenas um

golpe dos comunistas e Tesslar não merece confiança.

Ao aproximar-se o dia da decisão, o Dr. Adam Kelno caiu numa profunda

depressão. Até mesmo as visitas de Ângela não conseguiam animá-lo.

Ela deu-lhe uma série de retratos do seu filho, Stephan. Adam colocou-os

na mesa sem os olhar.

- Não posso - disse.

- Adam, deixa-me trazer-te a criança para que a conheças.

- Não. Aqui na prisão, não.

- Ele é muito pequeno para que depois se lembre disto.

- Vê-lo... para levar comigo essa lembrança até aos tribunais fictícios de

Varsóvia. É isto que queres dizer?

- Nós estamos a lutar, como sempre. Só que eu não aguento ver-te

assim. Nós fortalecer-nos-íamos um ao outro. Pensas que isto tem sido fácil

para mim? Trabalho todo o dia... estou a tentar criar, sozinha, a criança...

venho ver-te... Oh, Adam!

- Não me toques, Ângela... Isto está a ficar muito doloroso.

O cesto de alimentos que ela trazia a Brixton quatro vezes por semana, e

que passava pela fiscalização antes de ser entregue ao prisioneiro, não

merecera o interesse de Adam.

- Já estou aqui há quase dois anos - murmurou ele -, a ser espionado

como um condenado em cela solitária. Eles espionam-me às horas das refeições,

quando vou à casa-de-banho. Não uso botões, nem cinto, nem

lâminas de barbear. Até me tiram à noite o lápis. Não tenho nada para fazer a

não ser rezar e ler. Eles têm razão... eu ter-me-ia matado. Só a esperança de

poder um dia, como homem livre, conhecer o meu filho, me manteve vivo.

Agora... até isto se desvanece...



28

John Clayton-Hill, o Subsecretário, sentou-se à mesa em frente do Secretário

de Estado, Sir Percy Maltwood. Entre eles, estava a ordem de

deportação.

Maltwood tinha chamado Thomas Bannister, promotor do Rei, para

ouvir a sua opinião sobre o caso Kelno e saber se ele concordava com

Highsmith.

Thomas Bannister, um homem dos seus 40 anos, era um advogado da

mesma categoria de Highsmith. Estatura mediana e prematuramente

grisalho, tinha no entanto a compleição robusta dos Ingleses. Todo aquele

exterior de aparência tão serena explodia em acção brilhante e preciosa na sala

de um tribunal.

- O que dirá no seu relatório, Tom? - perguntou Maltwood.

- Direi que há uma dúvida razoável quanto à culpa ou inocência de

Kelno e portanto o Governo polaco deve ser solicitado a apresentar mais provas.

Eles não conseguiram estabelecer as bases dum processo, tudo está

resumido na palavra de Tesslar contra a de Kelno.

Bannister sentou-se numa das cadeiras e começou a folhear o relatório, já

bastante volumoso.

- Muitas das declarações fornecidas pelo Governo polaco são baseadas

em puro boato. Nós já chegámos à conclusão que tanto Kelno como Tesslar

podem estar a mentir para se salvarem. É óbvio que se odeiam. O que

aconteceu em Jadwiga foi absolutamente secreto e, portanto, não podemos

saber se estaremos a enforcar uma vítima do partidarismo político ou a soltar

um criminoso de guerra.

- Tom, que pensa que devemos fazer?

- Continuem a detê-lo em Brixton até que uma das partes interessadas

traga novas provas.

- Sem compromisso, Tom - perguntou Maltwood -, qual é a sua

opinião?


Bannister olhou de um para o outro e sorriu.

- Ora, Sir Percy, o senhor sabe que não vou responder a essa pergunta.

- Nós basear-nos-emos na sua recomendação, Tom, e não nos seus

palpites.

- Penso que Kelno é culpado. Não sei bem de quê, mas ele é culpado de

alguma coisa - respondeu Tom Bannister.



Embaixada da Polónia

Portland Place, 47

Londres, W l

15 de Janeiro de 1949

Secretário de Estado

Senhor:

O embaixador polaco apresenta os seus cumprimentos ao Secretário de

Estado de Sua Majestade para Assuntos Estrangeiros, e tem a honra de informá-lo

sobre a atitude do Governo polaco no caso do Dr. Adam Kelno. O

Governo polaco mantém o seguinte ponto de vista:

Ficou estabelecido, acima de qualquer dúvida, que o Dr. Adam Kelno,

actualmente sob a custódia do Governo inglês na prisão de Brixton, foi

cirurgião no campo de concentração de Jadwiga, e está sob suspeita de ter

cometido crimes de guerra.

O Dr. Kelno está na lista dos suspeitos como criminoso de guerra da

Comissão de Crimes de Guerra das Nações Unidas e do Governo da

Checoslováquia e da Holanda, assim como da Polónia.

O Governo polaco, já forneceu ao Governo de Sua Majestade toda a evidência

necessária para um processo.

Outras providências devem ser reservadas aos tribunais polacos competentes.

O Governo do Reino Unido deve agora atender ao pedido de extradição de



criminosos de guerra, segundo o tratado existente.

Além do mais, a opinião pública polaca sente-se ultrajada perante este

adiamento sem motivo.

Portanto, para pôr um ponto final nesta questão da repatriação, apresentaremos

uma vítima da brutalidade do Dr. Kelno, e vamos então, de

acordo com o sistema inglês de jurisprudência, apresentar um homem que foi

castrado por ele, de maneira brutal, como parte de uma experiência médica.

Seu, sinceramente agradecido,

Zygmont Zybowski



Embaixador

Capítulo sexto

Em frente do glorioso Covent Garden fica um prédio sujo, em pedra

cinzenta, onde funciona a mais famosa entre as catorze cortes distritais de

Londres, o Palácio da Justiça de Bow Street. Uma fila de carros com motoristas,

estacionados em frente do edifício, testemunhava a importância do

que estava a acontecer dentro da velha e ampla sala de conferências, cujas

portas permaneciam trancadas.

30

Robert Highsmith escondia a sua preocupação numa atitude de indolência.



Richard Smiddy mordia o lábio inferior. O magistrado Griffin, Nathan

Goldmark -o obstinado caçador -, John Clayton-Hill, da Secretaria

do Interior, estavam ali presentes, assim como os inspectores da Scotland

Yard, e um estenógrafo.

Havia ainda uma outra personalidade na sala de conferências: Thomas

Bannister, o promotor do Rei.

O juiz Griffin disse:

- Prossigamos, senhores. Oficial, traga o Dr. Fletcher.

O Dr. Fletcher, um homem de aparência vulgar, foi trazido. Indicaram-lhe

uma cadeira em frente do magistrado, no fim da mesa. Deu o seu

nome e morada ao estenógrafo. O juiz Griffin continuou:

- Esta audiência é bastante informal e portanto não nos prenderemos

com muitas regras, a menos que os advogados argumentem. Para o registo,

o Sr. Goldmark e o Sr. Clayton-Hill podem fazer as perguntas. Agora,

Dr. Fletcher, o senhor está registado como médico clínico?

- Sim, senhor.

- Onde exerce o senhor a sua profissão?

- Sou oficial médico decano da prisão de Sua Majestade em Wormwood

Scrubbs e sou o médico decano conselheiro junto da Secretaria do Interior.

- O senhor examinou um homem chamado Eli Janos?

- Examinei, ontem à noite.

O magistrado voltou-se para o relator.

- Para que haja uma identificação, Eli Janos é húngaro, de origem

; judaica, e reside agora na Dinamarca. A pedido do Governo polaco, o

; Sr. Janos consentiu em vir até Inglaterra. Agora queremos, Dr. Fletcher, que

o senhor tenha a gentileza de informar-nos sobre os resultados do seu exame,

no que se refere aos testículos do Sr. Janos.

-O pobre-diabo é um eunuco.

-Gostaria que isso fosse retirado - protestou Robert Highsmith, levantando-se

rapidamente. - Não creio que seja correcto interpor observações

tão pessoais como ”pobre-diabo”.

- Bem, mas ele é mesmo um pobre-diabo, não é Highsmith? - perguntou

Bannister.

- Eu gostaria que Vossa Senhoria informasse ao meu nobre colega de...

- Tudo isto é totalmente desnecessário, senhores - disse o juiz, numa

demonstração inesperada da autoridade da justiça inglesa. -Sr. Highsmith,

Sr. Bannister, tenham a bondade de parar com isso imediatamente.

- Sim, senhor.

-Lamento, senhor.

-Por favor, continue, Dr. Fletcher.

-Não há vestígios de testículos no saco escrotal ou no canal inguinal.

-Existem sinais de uma operação?

- Sim. Dos dois lados, um pouco acima do canal inguinal, existem cicatrizes

que indicam uma operação para remover os testículos.

- Poderá dizer a Sua Senhoria - interrompeu Bannister - se o senhor

tem alguma opinião a respeito da maneira como essa operação foi efectuada?

Para o senhor esse corte dos testículos do Sr. Janos foi feito de maneira

competente, normal?

- Sim, pareceu-me uma cirurgia bem realizada.

- E - atalhou Highsmith -, não há nada que indique abuso, incompetência,

complicações, ou qualquer outra coisa no género?

- Não... eu diria que não há nada que justifique tal opinião.

Highsmith, Bannister e o magistrado fizeram uma série de perguntas de

ordem técnica a respeito da operação e depois o Dr. Fletcher recebeu os agradecimentos

de todos e retirou-se.

- Tragam Eli Janos - ordenou o juiz.

Eli Janos tinha muitas das características dos eunucos. Era gordo e a sua

voz tinha um timbre alto e nervoso. O magistrado Griffin conduziu-o,

pessoalmente, até uma das cadeiras. Houve um momento de silêncio

constrangido.

- Os senhores podem fumar, se assim o desejarem.

Houve um movimento de mãos a rebuscar nos bolsos o alívio de uma boa

fumaça. Cachimbos, charutos, cigarros, foram acesos e o fumo espalhou-se

na direcção do tecto.

O juiz Griffin passou os olhos pelas declarações de Janos.

- Sr. Janos, parece-me que o senhor fala inglês bastante bem para dispensar

um intérprete.

- Eu serei compreendido.

- Se houver qualquer coisa que o senhor não perceba, peça para repetirmos

a pergunta. Compreendo que isto deva ser muito melindroso para o

senhor. Se em qualquer momento se sentir indisposto, avise-me.

- Já não tenho mais lágrimas para gastar comigo - foi a resposta.

- Compreendo. Gostaria, em primeiro lugar, de rever alguns dos factos

mencionados no seu relatório. O senhor é húngaro de nascimento. Nasceu no

ano de 1920. A Gestapo encontrou-o escondido em Budapeste e levou-o

para o campo de concentração de Jadwiga. Antes da guerra o senhor trabalhava

com peles e no campo foi colocado na fábrica de uniformes alemães.

- Sim, tudo isso é correcto.

- Na Primavera de 1943 o senhor foi apanhado a fazer contrabando e

foi entregue a um tribunal das SS. Eles consideraram-no culpado e condenaram-no

a uma operação de extracção dos testículos. O senhor foi então

levado para o acampamento médico e internado no chamado Alojamento III.

Quatro dias depois o senhor foi operado por prisioneiros enfermeiros, e depois

operado por um médico prisioneiro que o senhor diz ser o Dr. Adam Kelno.

- Sim.

- Senhores, podem agora fazer perguntas ao senhor Janos.



32

- Sr. Janos - disse Thomas Bannister -, gostaria de conhecer um historial

mais amplo sobre a acusação do contrabando. O que quer dizer?

- Nós estávamos sempre na companhia dos três anjos de Jadwiga: a

morte, a fome e a doença. Os senhores leram o que se escreveu sobre esses

lugares. Não preciso explicar muito. O contrabando era a maneira normal de

vida... tão normal como o nevoeiro londrino. Nós fazíamos contrabando para

poder viver. Embora os campos sejam supervisionados pelas SS, nós éramos

guardados pelos kapos. Os kapos são prisioneiros que colaboram com eles e

podem ser tão brutais como as SS. Foi uma coisa muito simples. Eu não

paguei a alguns kapos e eles denunciaram-me.

- Gostaria de saber: algum dos kapos era judeu? - perguntou Bannister.

- Apenas alguns em cada centena.

- Porém a maior parte dos trabalhadores era de origem judaica?

- 75 por cento eram judeus. 20 por cento eram polacos e o resto

criminosos comuns ou prisioneiros políticos.

- E o senhor foi conduzido, em primeiro lugar, para o Alojamento III?

- Sim. Eu sabia que lá os alemães guardavam o material para as experiências.

Depois levaram-me para o Alojamento V.

- Foi obrigado a despir-se e a tomar banho de chuveiro?

- Sim. Depois um enfermeiro raspou-me e fez-me sentar todo nu, na sala

de espera. - Janos acendeu um cigarro e a sua história foi dita arrastada,

lenta, com a dor das recordações. - Eles chegaram, o doutor com um coronel

das SS, Voss, Adolph Voss.

- Como sabe o senhor que era Voss? - perguntou Highsmith.

- Ele disse-me, e também me disse que, sendo judeu, não me adiantava

nada ter testículos pois iam esterilizar todos os judeus. Eu estava a servir à

causa da ciência.

- Em que língua lhe falava ele?

- Em alemão.

- O senhor falava fluentemente alemão?

-Num campo de concentração aprende-se suficientemente o alemão.

- E o senhor declara que o médico que estava com ele era o Dr. Kelno?

- perguntou Highsmith.

- Sim.

- Como é que o senhor podia saber isso?



- No Alojamento III sabia-se que o Dr. Kelno era o chefe dos médicos

prisioneiros. Era ele sempre que operava para Voss no Alojamento V. Nunca

ouvi falar de outro médico.

- E o Dr. Tesslar? Ouviu falar dele?

- No fim da minha convalescença veio um novo médico para o alojamento.

Não sei o seu nome. O nome Tesslar parece-me conhecido, mas eu

nunca o encontrei.

- O que aconteceu então?

- Eu fiquei em pânico. Três ou quatro enfermeiros seguraram-me e um

33

outro deu-me uma injecção na espinha. Imediatamente a parte inferior do



meu corpo ficou morta. Fui amarrado a uma cama de rodas e levaram-me para

a sala de operações.

-Quem estava lá?

- O coronel-médico das SS, o médico polaco e um ou dois assistentes.

Voss disse que ia cronometrar a operação e queria os testículos rapidamente

extraídos. Pedi a Kelno, em polaco, que me deixasse um testículo. Ele encolheu

os ombros e quando eu comecei a gritar, esbofeteou-me e... e eles castraram-me.

- Então - disse Bannister - o senhor teve bastante tempo para ver esse

homem sem a máscara cirúrgica.

- Ele não usava máscara nenhuma. Nem mesmo lavou as mãos. Durante

um mês eu estive perto de morrer com uma infecção.

- Sejamos bastante claros - disse Bannister. - O senhor era um homem

perfeitamente saudável até ser levado para o Alojamento V?

- Enfraquecido pela vida no campo de concentração, mas sexualmente

normal.

- O senhor nunca fez tratamentos com raios X ou qualquer outro tipo de



tratamento que possa ter afectado os seus testículos?

- Não. Eles só queriam saber em quanto tempo podiam fazer aquilo.

- E o senhor diria que o modo como o trataram na mesa da operação nada

teve de gentil?

- Eles foram brutos comigo.

- O senhor tornou a ver o médico polaco depois da operação?

- Não.

- Porém o senhor está absolutamente certo de poder identificar o homem



que o operou?

-Nunca esquecerei o seu rosto.

- Não tenho mais perguntas - disse Bannister.

- Nenhuma pergunta - disse Highsmith.

- A fila para identificação está pronta ? - perguntou o juiz Griffin.

- Sim, senhor.

- Sr. Janos, o senhor sabe o que é uma parada policial de identificação?

- Sim, já me explicaram.

- Haverá uma dúzia de homens num quarto envidraçado, todos vestindo

roupas de prisioneiros. Eles não poderão ver-nos. Um desses homens é o

Dr. Kelno.

- Eu percebo.

Saíram da sala de conferências e desceram uma escada barulhenta, cada

homem ainda chocado com a história aterrorizante de Janos. Highsmith e

Smiddy, que tinham lutado tão tenazmente por Adam Kelno, sentiam um

inevitável espasmo de apreensão. Ter-lhes-ia mentido Adam Kelno? Pela

primeira vez a porta do Alojamento V tinha sido aberta e deixado entrever os

seus horríveis segredos.

34

O coração de Nathan Goldmark quase estourava. Estava a aproximar-se o



momento da vingança pela morte de toda a sua família, e da justificação ao

seu Governo. O prazer da vitória. Daqui em diante tudo ia andar mais rápido.

Os fascistas teriam feita a sua justiça.

Thomas Bannister aceitava tudo com a calma que sempre fora um traço

da sua personalidade e da sua carreira, como se ele fosse um ”congelador

humano”.


Para o homem que sofrera tanto, pouco importava agora. Eli Janos continuaria

a ser um eunuco quando tudo acabasse. De um modo ou de outro.

Sentaram-se e as luzes foram apagadas. Na frente deles, na sala, via-se o

painel de vidro com um marcador de altura suspenso da parede oposta. Os

homens com uniformes da prisão começaram a desfilar. Eles piscavam os

olhos por causa da súbita inundação de luz e um oficial da polícia dirigia-os

para que ficassem de frente, a olhar para a sala escura do outro lado do vidro.

Adam Kelno era o segundo da direita, no meio de homens altos e baixos,

magros e gordos. Eli Janos curvou-se para a frente e semicerrou os olhos. Não

conseguiu uma imediata identificação, por isso começou a percorrer a fila da

esquerda para a direita.

- Não se apresse - disse o juiz Griffin.

No silêncio apenas se ouvia o som nasalado da respiração de Goldmark

e ele reunia todas as forças para se controlar e não apontar Kelno, de um

salto.

Os olhos de Janos demoravam-se em cada um dos rostos, a examiná-los e



a lembrar aquele terrível dia no Alojamento V. Corria a fila, um, depois

outro, até chegar a Kelno. Mas não se deteve. O oficial, lá dentro, mandou

que se virassem de lado. Perfil esquerdo. Perfil direito. Por fim saíram e a luz

acendeu-se.

- Então? - perguntou o juiz Griffin.

Eli Janos respirou profundamente e sacudiu negativamente a cabeça.

- Não reconheci ninguém.

- Ordene ao oficial que traga o Dr. Kelno - disse Robert Highsmith

numa súbita inspiração.

- Não é necessário - informou o magistrado.

Este maldito caso arrasta-se há dois anos. Um homem inocente esteve

preso todo este tempo. Quero ter a completa certeza de tudo.

Adam Kelno foi introduzido na sala e colocado diante de Janos. Os dois

homens fixaram-se.

- Dr. Kelno - disse Highsmith -, gostaria que o senhor falasse com

este homem em alemão ou em polaco.

- Eu quero a minha liberdade - disse Adam, em alemão. Está nas

suas mãos - concluiu em polaco.

A voz diz-lhe alguma coisa? - perguntou Highsmith.

Ele não é o homem que me castrou - disse Eli Janos.

Adam Kelno suspirou, baixando a cabeça e saiu acompanhado do oficial.

35

- O senhor está disposto a assinar uma declaração? - perguntou



Highsmith.

- Certamente - respondeu Janos.

Adam Kelno recebeu uma carta formal do Governo de Sua Majestade a

lamentar os prejuízos dos dois anos de prisão em Brixton.

Quando se fecharam atrás dele os portões da prisão, a paciente e meiga

Ângela atirou-se para os seus braços. Na alameda que conduzia à entrada, o

seu primo Zenon Myslenski, o conde Anatol Czerny, Highsmith e Smiddy

esperavam-no. Havia ainda mais alguém. Um garotinho que, hesitantemente,

cambaleava, conduzido pelo ”tio” Zenon. Olhou para ele e chamou

”papá”.


Adam agarrou a criança.

- Meu filho - suspirou -, meu filho.

Afastaram-se imediatamente dos muros de tijolos e atravessaram Londres

num dos raros dias de sol.

A conspiração tinha sido vencida, mas Adam sentia medo, longe da protecção

dos altos muros da prisão. Ele agora estava do lado de fora e o inimigo

era perigoso e incansável.

Com a mulher e o filho, Adam Kelno fugiu para o lugar mais distante do

mundo.

Capítulo sétimo

- Adam! Adam! - gritou Ângela.

Kelno deu um salto na varanda e abriu de repente a porta de tela, no

mesmo instante em que Abun, o empregado, também chegava. Ângela

lançara-se sobre a criança para protegê-la da cobra, que se enroscara ao pé da

cama, com a língua a tremer e a larga cabeça num ziguezague de dança da

morte.

Abun fez um gesto para que Adam ficasse parado e devagar desembainhou



O paranga. Os seus pés descalços deslizaram sem barulho pela esteira.

Zásssss! Um arco brilhante de aço. A cobra foi decapitada. A cabeça caiu

longe e o corpo imobilizou-se depois de um curto e violento tremor.

- Não tocar! Não tocar! Ainda cheia de veneno!

Ângela deu-se ao luxo de gritar e depois começou a soluçar histericamente.

O pequeno Stephan agarrou-se à mãe a chorar, enquanto Adam,

sentado na beira da cama, procurava acalmá-los. Adam Kelno olhou para o

seu filho e desviou os olhos, sentindo-se culpado. As pernas do menino

mostravam os sulcos vermelhos das sanguessugas.

36

Sim, Sarawak, na parte norte de Bornéu, era o lugar mais longínquo para



onde um homem poderia ir, e o mais profundo onde poderia esconder-se.

Alguns dias depois da sua libertação, num estado de pânico descontrolado,

a família Kelno tinha secretamente reservado passagens para Singapura,

e de lá tinha-os levado um velho e podre navio a vapor, pelos mares

da China, até ao fim do mundo: Sarawak.

Fort Bobang, um clássico buraco pestilento, ficava num delta formado

pelo rio Batarig Lampur. O posto avançado consistia numa centena de casebres,

de tectos feitos com ramos e barro, suspensos do solo e aninhados na

beira do rio. Mas para o interior, a cidade estendia-se por duas ruas enlameadas,

onde algumas lojas de proprietários chineses se apoiavam mutuamente,

intercaladas de armazéns para a exportação de borracha. O cais era suficiente

para acomodar a barca, que se arrastava para a capital em Kuching, e compridos

barcos que viajavam pelos rios intermináveis.

O agrupamento inglês era composto de um grupo de edifícios caiados de

branco, a pintura a cair das pálidas paredes, escaldadas pelo sol e torturadas

pela chuva. Havia um comissário da área, um posto da polícia, alguns funcionários

públicos falhados, uma clínica e um colégio com uma única sala de

aula. Alguns meses antes do incidente com a cobra, Adam Kelno tinha sido

entrevistado pelo Dr. MacAlister, o oficial médico-chefe de Sarawak. As credenciais

de Kelno estavam em ordem. Ele era um clínico e cirurgião qualificado,

e não se faziam muitas perguntas aos homens que chegavam até

àquele lugar.

MacAlister acompanhou a família Kelno até Fort Bobang. Dois enfermeiros

assistentes, um malaio e um chinês, cumprimentaram o novo médico

sem muito entusiasmo, e mostraram-lhe a mal apetrechada enfermaria.

- Não é exactamente o West End de Londres - disse MacAlister.

- Já trabalhei em piores lugares - respondeu severamente Adam.

O olhar acostumado de Adam fez logo o inventário dos medicamentos e

do escasso equipamento.

- O que aconteceu ao último homem?

Suicídio. Sabe, nós temos tido alguns deles por aqui.

- Bom, não precisa ter essas ideias a meu respeito. Já tive muitas

oportunidades. Não sou desse género.

Depois da inspecção, Adam ordenou que se limpasse tudo e depois retiraram-se

para o alojamento do outro lado do conjunto.

Ângela sentia-se desapontada, mas não se queixou.

Umas modificações aqui e ali e tudo vai ficar muito bem - disse, a

procurar convencer-se, sem o conseguir.

A varanda de tela dava para o rio, para os armazéns do cais, mais abaixo,

e Para as colmas que subiam a rodear a cidade. A vegetação era constituída,

em grande parte, de coqueiros e pequenas palmeiras, tudo de um brilhante e

37

profundo verde. Enquanto esperavam pelas bebidas que tinham pedido, os



sons e os cheiros do entardecer começaram a chegar até eles e uma tranquila

brisa cortou o sufocante e húmido calor do dia. Adam contemplava a

paisagem, quando uma fina chuva começou a cair. Um prelúdio à chuvada

diária. A habitual falha dos geradores fazia com que a luz do conjunto

apagasse e acendesse. Então a chuva caiu intensa, a bater e a saltar do chão

como se estivessem a martelá-lo.

- À nossa saúde - disse MacAlister. O seu hábil olhar estudava Kelno.

Ele já vira outros homens chegarem e partirem, tantos e tantos. Os bêbados e

a escumalha, e aqueles que possuíam a velha esperança de melhorar a

humanidade. Há muito tempo que ele esquecera o seu próprio fervor

missionário, destruído pela sua mediocridade, pelo sistema burocrático da

Coroa e pela ferocidade do calor e da gente selvagem que vivia rio abaixo.

- Os dois rapazes que vão ser seus assistentes são bastante bons. Eles

ajudá-lo-ão a compreender o que esperamos de si. E agora que Sarawak se

tornou uma colónia da Coroa, teremos um orçamento um pouco maior para o

sector médico. Melhoraremos as coisas aqui e ali.

Adam fixou os olhos nas suas próprias mãos, abriu-as e fechou-as,

pensando. Há muito tempo que elas não pegavam nos instrumentos de

cirurgia.

- Eu dir-lhe-ei o que vou necessitar e as mudanças que pretendo fazer respondeu

secamente.

”Um camarada atrevido”, pensou MacAlister. ”Bem, tudo isso vai

desaparecer.” Ele já os vira a introverter-se, e tornarem-se com o tempo,

cínicos e cruéis. Era o que acontecia sempre quando compreendiam a situação

real das coisas ali.

-Vou dar-lhe um conselho, como velho habitante de Bornéu. Não

queira mudar isto aqui. As pessoas que vivem rio abaixo vão distorcer tudo o

que fizer. Eles estão distanciados, por poucas gerações, dos canibais e caçadores

de cabeças. A vida aqui é bastante dura; não a complique mais ainda.

Goze os poucos momentos de conforto que possa conseguir. Afinal, o senhor

trouxe a sua mulher e o seu filho para este lugar.

- Obrigado - respondeu Adam, mas não sentiu realmente agradecimento

nenhum.

Sarawak era um buraco sujo! Escondida da humanidade num canto de



Bornéu, povoada por um aglomerado de raças: os malaios que eram

muçulmanos, os kayans e as tribos dos dayaks de terra e os dayaks do mar que

eram os ibans, e, naturalmente, os chineses omnipresentes, os donos das lojas

do Oriente.

A sua moderna história começou há pouco mais de um século, quando o

comércio no mar da China entre a colónia inglesa de Singapura e o sultanato

38

de Brunei e Bornéu se tornou tão desenvolvido que os seus barcos se



transformaram no principal alvo dos piratas daquela área.

O sultão de Brunei não era só vítima dos piratas, como também, frequentemente,

travava lutas internas no seu reino. A lei e a ordem chegaram

então na pessoa de James Brooke, espadachim e soldado inglês. Brooke pôs

termo às rebeliões e acabou com os piratas. Como recompensa o sultão concedeu-lhe

a província de Sarawak e James Brooke tornou-se o primeiro dos

célebres ”rajás brancos”.

Brooke governou os seus domínios com benevolência; na altura, era um

pequeno estado com algumas estradas poeirentas. As suas vias de comunicação

com o mundo exterior eram os rios, que desciam das altas e espessas

florestas para os deltas do sul do mar da China. Uma região coberta pela flora

tropical, inundada pelas chuvas torrenciais, habitada por crocodilos, ratos,

cobras, morcegos e javalis. Os seus nativos eram dizimados pela lepra, pela

elefantíase, pelos vermes, pela cólera, pela varíola, pela hidropisia.

O principal problema deles era a opressão. Possuíam miseráveis terras

donde tiravam a magra colheita e mesmo assim eram constantemente vítimas

dos piratas, dos vizinhos e dos impostos.

Quando estavam em guerra uns contra os outros, os seus resplandecentes

trajos eram de coloridas penas, e a cabeça do vencido servia de ornamento na

casa do vencedor. Os que não eram mortos eram vendidos nos mercados de

escravos.

Ao fim de um certo número de anos, James Brooke e o seu sobrinho, que

lhe sucedeu como rajá branco, conseguiram estabelecer um tipo de ordem

interna e o povo passou a lutar apenas pela sobrevivência e contra os

elementos naturais.

O terceiro e último rajá, Sir Charles Vyner Brooke, viu, depois da

II Guerra Mundial, terminar o longo reinado da sua família. Este durara 105

anos. Durante a guerra os japoneses ocuparam Sarawak por causa dos seus

campos de petróleo em Miri. Quando a guerra terminou, o estado foi incorporado

à Coroa inglesa, e Sarawak, assim como Bornéu e Brunei, tornaram-se

colónias da Coroa.

O primeiro governador de Sarawak foi Sir Edgar Bates, que devia impor a

ordem num estado que ocupava agora uma área de 130000 km2, habitada

por meio milhão de pessoas. A maioria destas era constituída pelos dayaks do

mar ou ibans, antiga tribo de caçadores de cabeças, de origem desconhecida.

Alguns dizem que eles descendiam dos mongóis.

Sir Edgar formou a classe média de funcionários civis e procurou incrementar

a educação para que o povo pudesse caminhar para um governo

autónomo. E toda aquela política que vinha a arrastar-se desde o tempo dos

rajás brancos, ganhava agora corpo. A nova companhia Sarawak-Oriental

explorava o petróleo e os minérios, e procurava dominar a exploração das

infindáveis florestas. No entanto, o progresso surgia devagar e atolava-se

num marasmo de preconceitos pagãos.

39

Quando Adam Kelno chegou a Sarawak, em 1949, tornou-se o décimo



terceiro médico a tentar aquela aventura. Havia cinco hospitais para meio

milhão de pessoas.

Ele foi enviado para Fort Bobang, na Segunda Divisão da Sarawak, terra

dos ibans, os tatuados caçadores de cabeças de Bornéu.



Capítulo oitavo

Os barqueiros de Adam Kelno manobravam com habilidade o comprido

barco com cabina coberta por vegetação, sobre as turbulentas águas das

correntes, na junção dos rios Lemanak e Lampur. Era fácil reconhecer o barco

do doutor, por ser o único que possuía um grande motor de popa. Quando

atingiram o meio do grande rio, o barco equilibrou-se e eles continuaram suavemente

a descer o rio, passando por um ajuntamento de sonolentos crocodilos.

O barulho do motor assustou-os e eles atiraram-se, em confusão,

para dentro da água. Uma família de macacos gritou, ameaçando-os e pulou

agilmente de galho em galho.

Ao longo de quinze quilómetros do Lemanak sucediam-se choupanas da

tribo Ulu dos dayaks do mar. Cada uma das compridas casas era uma aldeia,

construída sobre estacas, de madeira em bruto, e acomodava de 20 a 50

famílias. As choupanas, perto do rio, acompanhavam-no ao longo de vários

quilómetros. Uma escada removível, usada outrora para defesa contra o

inimigo, servia agora de acesso à varanda comunal. De frente para o rio ficava

a plataforma da cozinha e uma espécie de área de serviço. Nas traseiras de

cada casa havia pequenos quartos particulares, para cada uma das famílias.

Tudo era coberto com folhas secas de palmeira, e em baixo, porcos e galinhas

corriam por entre excrementos humanos; cachorros famintos lutavam entre

si pela sobrevivência.

Quinze dessas choupanas formavam o grupo tribal dos ulus, que tinham

como chefe Bintang, assim chamado em homenagem às estrelas.

A chegada do barco do Dr. Kelno foi saudada pelo som de gongos, a dar as

boas-vindas usuais a qualquer visitante. Durante o dia, enquanto o Dr. Kelno

atendia os pacientes, os turahs, ou chefes de tribo das outras aldeias, foram

aparecendo para a reunião do Conselho que o Dr. Kelno havia pedido a

Bintang.


Todos estavam lá, quando a tarde chegou, vestindo roupas de coloridos

tecidos, as cabeças enfeitadas com chapéus em forma de cone, cobertos de

penas, os braços e as pernas envoltos por argolas. Eram homens de pele cor de

azeitona e de pequena estatura. As suas feições pareciam ser a mistura das raças

negra e oriental. Os longos e negros cabelos eram presos num carrapito e

os seus ombros, braços, pernas e mãos eram cobertos de tatuagens. Muitos

40

dos turahs mais velhos traziam tatuagens referentes a alguma notável vitória



como caçadores de cabeças, em dias agora tão distantes. Em todas as

choupanas havia uma cabeça pendurada na trave central. Tinham sido raspadas

e pareciam pequenas abóboras lisas. Quando todos se sentaram,

Bintang ofereceu-lhes cerveja de arroz, que eles beberam enquanto mastigavam

sementes de betei e fumavam escuros charutos.

Durante a acomodação deles na grande varanda comunal, lá atrás, na área

de serviço, as mulheres ocupavam-se com os seus afazeres, a cozinhar, a

tecer as esteiras de fibra e pano colorido, e a trabalhar em joalharia. Também

preparavam e secavam um estranho alimento feito de goma extraída do tronco

de árvores. No seu corpo, com o peito nu, traziam enfeites de metal dourado,

correntes e moedas que as envolviam todas. Do lóbulo das orelhas

pendiam brincos extremamente pesados, que lhes causava alguma deformação.

Os turahs eram alegres e descontraídos, porém quando o Dr. Kelno e o

seu intérprete se aproximaram, eles ficaram calados e soturnos. Não estavam

bem certos a respeito dele. Bintang pediu-lhes que colocassem as suas coloridas

esteiras no chão de palha trançada. O Dr. Kelno e o seu intérprete,

Mudich, sentaram-se de frente para todos. Bintang e o seu chefe-mágico,

Pirak, omanangda tribo, sentaram-se um pouco afastados dos outros. Havia

uma vasta categoria de manangs. Pirak era um tipo encarquilhado e pertencia

àquela categoria especial chamada manang bali, um homem vestido de

mulher e comportando-se como se fosse mulher. Sedutor de rapazes, afirmava-se

também como homem. Era bissexual. Pirak recebia exorbitante

remuneração em forma de presentes e alimentos, em troca das suas feitiçarias.

Porque era muito velho para suceder a Bintang, Pirak estava firmemente

decidido a manter a sua posição de destaque e sentia-se ameaçado

pelo Dr. Kelno.

Foram trocados os cumprimentos da praxe e então o intérprete deu início

à conversa, enquanto os cães esfaimados brigavam pelas migalhas do banquete.

- O Dr. Adam diz - começou Mudich - que está a chegar a estação das

chuvas e em seguida o rio vai encher. Dr. Adam não mais vir então. Outro

ano, durante as chuvas, cólera muito ruim. Este ano, Dr. Adam não quer

isto. Ele pode dar remédio com agulha contra cólera. Só vinte famílias em todas

as casas quiseram. Porque é que é isso, Dr. Kelno pergunta.

- Porque o Espírito do Vento, o Espírito do Mar, o Espírito da Floresta,

o Espírito do Fogo são escolhidos pelo Espírito-Chefe para governar a doença.

Nós já preparámos pássaros para o sacrifício e vamos fazer soar os gongos

durante quatro noites antes das chuvas. Diga ao Dr. Adam que temos muitos

modos de lutar contra doença.

- Muitos, muitos modos - concordou o mágico Pirak, a apontar para o

Seu saco de feitiços, pedras mágicas e ervas.

Houve um sussurro de assentimento entre os turahs.

41

Adam soltou um profundo suspiro, controlou-se e inclinando-se para o



intérprete, disse:

- Quero que pergunte a Bintang o seguinte: Eu vou dar o meu remédio

às famílias que o quiserem. Se, depois da estação das chuvas, as famílias que

eu tratei estiverem bem, mas muitos dos outros que não receberam o meu

remédio estiverem doentes ou tiverem morrido de febre, será isto uma prova

de que os deuses favorecem o meu remédio?

Mudich fingiu não ter compreendido. Adam repetiu, vagarosamente. O

intérprete remexeu-se e depois sacudiu negativamente a cabeça.

- Não posso perguntar isto a Bintang.

-Porque não?

- Se o que diz for certo, ele fica mal diante dos outros íurahs.

- Mas ele não é o responsável pela saúde e bem-estar do seu povo?

- Bintang responsável também de manter lendas. Doença vai, doença

fica. Lenda não passa.

Muito bem”, pensou Adam, vamos a ver se consigo contornar isto.”

Mais uma vez ele explicou a Mudich a pergunta que queria que fizesse.

- Dr. Adam pergunta a Bintang porque o cemitério é tão perto do rio?

Dr. Adam diz que deve ser afastado, que água fica suja e sujo faz doença.

- Não verdade. Espírito faz doença - respondeu Bintang.

Mais uma vez os turahs assentiram.

Adam viu a raiva no olhar de Pirak. O manang bali era o responsável pelos

despojos e enterro dos mortos e muito da sua fortuna provinha desses ganhos.

- A lenda diz ter que enterrar no morro saindo do rio. Lugar certo cemitério.

Não poder sair de lá.

- Dr. Adam diz ser sujo. Gente enterrada não muito fundo e muitos sem

caixote para pôr dentro. Dr. Adam diz isto estraga água quando rio chega

cemitério. Porco e cachorro não têm cerca, então vêm e comem morto.

Quando a gente come porco, e bebe água, a gente fica doente.

- Se mulher morre de sangue quando tem criança, não pode ir dentro de

caixão - respondeu o manang bali. - Se guerreiro morre tem de ter enterro

junto do rio para poder viajar para Sebayan.

- Mas quando ele é enterrado com toda aquela comida os animais escavam

tudo!

- Como pode guerreiro viajar até Sebayan sem comida? Em Sebayan,



Dr. Adam, não haver aborrecimento, é melhor ir para lá - disse Bintang.

- Se chefe morre - argumentou Pirak - ele precisa ser queimado para

ter Espírito do Fogo. Dr. Adam não entende, cada um tem enterro diferente,

depende de como morre.

Convencê-los a mudar o cemitério parecia impossível. Kelno sentia-se

atolado numa lama de misticismo e tabus. Mas ele era persistente.

- Dr. Adam diz que na última vez ele trouxe semente para plantar no

campo perto da floresta. Bintang prometeu plantar quiabo que é bom de

comer e faz a gente forte.

42

- Nós ver em avisos dos pássaros que terreno perto da floresta é amaldiçoado.



- Como descobriram isso?

- Difícil ler aviso de pássaros - disse Pirak -, leva muitos anos para

aprender. Como pássaro voa, como pássaro canta, como dois pássaros voam

juntos. Pássaros dar aviso tão ruim que nós matar porco em cerimónia e ler

dentro do porco. Tudo diz que campo é maldito.

- Dr. Adam diz que nós temos pouca terra. Por isso ser bom usar toda.

Quiabo afasta mau espírito do campo. Quiabo comida sagrada - traduziu

Mudich. Kelno procurava fazer uso dos tabus existentes. Mas as decepções

continuaram.

- Dr. Adam comprou búfalo de água, de chinês. Porque não leva de volta

para a cidade de Sareba?

- Búfalo é aviso sagrado como pássaro azul, como borboleta.

- Não trouxe búfalo para comer, mas para trabalhar no campo.

- Maldição fazer aviso sagrado trabalhar.

Depois de uma hora nisto, Adam sentia-se exausto. Pediu para que o

desculpassem por não ficar para os festejos e para a luta de galos e, secamente,

despediu-se de todos. Pirak, o manang bali, agora sentia-se muito generoso,

pois vencera todos os argumentos. O Dr. Adam só voltaria depois das chuvas.

Quando Kelno subiu para o barco e ordenou aos barqueiros que soltassem as

amarras, os ulus que se agrupavam na margem acenaram-lhe um indeciso

adeus. Quando o barco contornou a curva do rio, Bitang perguntou a

Mudich:


- Porque vem o Dr. Adam até aqui se ele nos odeia tanto ?

Capítulo nono ,

A solidão no agrupamento inglês de Fort Bobang impunha aos seus moradores

uma intimidade às vezes indesejável. Pessoas que numa vida normal

ter-se-iam evitado com ardor, eram obrigadas a conviver em tom de amizade.

Ângela adaptava-se facilmente à mediocridade do seu círculo social. O mesmo

não acontecia com Adam.

Ele antipatizava, sem disfarçar, com L. Clifton-Meek, o comissário de

Agricultura da Segunda Divisão. O escritório de Clifton-Meek era pegado à

enfermaria e as suas casas estavam separadas apenas pela casa do comissário

Jack Lambert.

A colónia era uma espécie de porto de salvação para os medíocres que

desejavam sair da obscuridade. Lionel Clifton-Meek era o vivo exemplo do

vendedor de sapatos, do vendedor de bilhetes de caminho-de-ferro, do

humilde aprendiz de alfaiate que tinha conseguido abrir caminho na vida, a

43

servir os altos interesses de Sua Majestade. Era um caminho muito limitado,



é verdade, mas uma vez que entrara nele, ficaria lá seguro para sempre. Clifton-Meek

protegia-se da necessidade de tomar qualquer decisão e de permitir

intrusões na área. Ele envolvia-se na cortina de fumo da burocracia, na ilusão

de aumentar a sua própria importância. Nas grandes alturas deste posto ele

podia ficar à espera da choruda reforma, que receberia um dia, pelos leais

serviços prestados à Coroa.

Se Clifton-Meek personificava o mais baixo grau do funcionalismo

público, a sua esposa Mercy, descuidada e avermelhada, personificava tudo

quanto havia de mais odioso para a gente negra e amarela que eles governavam.

Na Inglaterra os Clifton-Meek viveriam uma obscura vida, morando

numa casa de tijolos, numa rua de residência iguais, duma cidade cinzenta. Se

morassem em Londres, alugariam uma água-furtada, fria e desarrumada,

onde a única maneira de ajudar o marido a equilibrar o orçamento da família

seria trabalhar como empregada doméstica.

Mas o Império prestigiava muito as classes inferiores da Inglaterra. Em

Sarawak eles tinham importância social. Na Segunda Divisão não havia outro

Comissário da Agricultura. Clifton-Meek tinha muito que dizer a respeito dos

campos de arroz e das plantações de borracha. A maior parte do seu tempo era

gasto a atrapalhar a companhia Sarawak-Oriental com a sua interminável teia

burocrática. Ele era o osso atravessado na garganta do progresso.

Mercy Meek tinha à sua disposição dois rapazes malaios que dormiam

na varanda e corriam atrás dela com uma sombrinha aberta, para proteger a

sua pele clara e sardenta dos raios do sol. Ela possuía também um autêntico

cozinheiro chinês. O snobismo artificial da sua classe fez que colocasse,

entre apelidos - tão sem significado ancestral -, um traço de união, que lhes

concedia uma auto-importância. Para culminar todo esse triunfo, Mercy quis

trazer o Deus dos episcopalianos para esses pagãos. Aos domingos, a aldeia

vibrava com o som do órgão que ela tocava, a martelar o temor de Jesus naquela

gente, e como resposta obtendo as suas murmuradas orações.

Já o comissário Lambert era outra espécie de pessoa. Como MacAlister, o

superior de Kelno, Lambert também estava há muitos anos nas colónias, e

era um bom administrador que ouvia, com paciência, as queixas dos chefes

nativos, e pouco fazia a respeito delas, mas tinha cuidado para que em todas

as choupanas houvessem retratos do Rei e bandeirolas da Inglaterra. Lambert

e Kelno procuravam nada ter a ver um com o outro.

Mas chegou o dia em que L. Clifton-Meek se sentiu tão aborrecido com

aquele tal médico estrangeiro, que apresentou um relatório indignado.

Antes de deixar que o relatório seguisse o seu curso normal, Lambert

achou que devia tentar um encontro entre as partes interessadas. Este foi

iniciado no gabinete do comissário, num dia em que as descascadas paredes

exalavam um terrível calor, e o ventilador, preso ao tecto, pouco podia fazer

para aliviar o ambiente. O rosto branco e franzido de L. Clifton-Meek tremia

44

enquanto ele segurava o grosso livro dos regulamentos e Lambert folheava o



relatório.

Lambert enxugou o queixo suado.

”Que estranho lugar para se transpirar”, pensou Adam.

- Parece-me, Dr. Kelno, que estamos perante um mal-entendido. Preferiria

que isto ficasse dentro destas paredes, se pudéssemos chegar a um

acordo.


Clifton-Meek arqueou os ombros enquanto Adam olhava para ele com

desprezo.

- O senhor já está a par das queixas de Clifton-Meek?

- Li-as esta manhã.

- Não é na realidade um assunto muito grave.

- Eu considero-o bastante sério - disse Clifton-Meek, numa voz que

denotava medo.

- O que eu quis dizer - conciliou Lambert -, é que não há aqui nada

que vocês não possam discutir um pouco e depois resolverem.

- Isto vai depender do Dr. Kelno.

- Vejamos então - disse Lambert. - Em primeiro lugar, existe o caso da

plantação de quiabos que o Dr. Kelno propôs aos ulus do baixo Lemanak.

- O que é que há com a plantação de quiabos? - perguntou Adam.

- Segundo isto aqui, parece que o senhor recomendou uma plantação de

quiabos para as quinze choupanas do chefe Bintang, e levou para lá uma

quantidade de sementes.

- Considero-me culpado desta acusação.

L. Clifton-Meek fez uma careta e tamborilou com os dedos na mesa de

Lambert.

- O quiabo é uma planta que pressupõe uma colheita. Tudo no âmbito do

comissário de Agricultura. Nada disto é saúde pública ou medicina.

- O senhor acredita que, nas condições em que esta gente vive, o quiabo

seria um benefício para a sua saúde ou um malefício? - perguntou Adam.

- Não me deixarei levar pelo seu jogo de palavras, Dr. Kelno. O uso da

terra está claramente incluído nos assuntos do meu departamento, senhor.

Aqui mesmo, na página 702 do livro de regulamentos - e leu o longo

parágrafo, enquanto Lambert tentava conter um sorriso. Depois, fechou temporariamente

o livro marcado com pequenas dobras no canto das páginas. Senhor,

eu estou a fazer uma verificação para a companhia Sarawak-Oriental,

a respeito do uso adequado das terras da Segunda Divisão, tendo em vista

a sua utilização para a plantação da borracha.

- Em primeiro lugar - disse Adam -, os ulus não podem comer

borracha. Em segundo lugar, não sei como o senhor pode fazer tal verificação

se nunca subiu o rio Lemanak.

- Possuo mapas e tenho os meus métodos.

- Então o senhor recomenda que não se plantem lavouras de quiabos perguntou

Adam.

45

- Sim, Lionel, o que é que propõe concretamente? - interrompeu



Lambert.

- Eu estou apenas a dizer - redarguiu ele, levantando a voz - que o livro

define claramente as obrigações de cada sector. Se o oficial-médico começar

a aparecer em toda a parte a dar ordens, isto só poderá redundar num caos.

- Gostaria de poder convencê-lo de que, se descesse o Lemanak num

barco, como já lhe propus em inúmeras ocasiões, o senhor iria ver com os

seus próprios olhos que lá não existem terras utilizáveis para plantações de

borracha. O senhor veria que o que existe por lá é muita fome devido à falta de

terreno fértil. E, quanto ao resto do seu ridículo relatório, só alguém muito

tolo poderia protestar contra a minha compra de búfalos de água e a minha

recomendação de que se adopte um novo sistema de pesca.

- O regulamento afirma categoricamente que o oficial da agricultura é o

juiz supremo em casos desta natureza - gritou Clifton-Meek, com as veias a

saltarem-lhe do pescoço e o rosto vermelho.

- Senhores, senhores - pediu Lambert -, afinal somos todos servidores

da Coroa.

- O crime que cometi - disse Adam Kelno - foi tentar melhorar as

condições de vida dos meus pacientes, para que possam ter uma vida mais

longa. Pegue no seu relatório, Sr. Clifton-Meek, e cague-lhe em cima.

Clifton-Meek deu um salto.

- Exijo que este relatório seja despachado para a capital, Sr. Lambert. É

uma pena que nós tenhamos de nos envolver com certo tipo de gente estrangeira,

que não conhece o sentido duma eficiente organização. Boa tarde,

senhor.


Um silêncio desagradável acompanhou a saída de Clifton-Meek.

- Deixe lá, não precisa dizer o que está a pensar - disse Lambert, enchendo

um copo com água da garrafa.

- Vou fazer um apanhado de todos os presságios nativos, tabus, deuses,

espíritos, rituais e regras do Livro de Regulamentos de Sua Majestade e vou

intitulá-lo Livro de Cabeceira dos Idiotas. Os Meek herdarão o Império.

- Nós temos conseguido atravessar o charco, duma estranha maneira,

durante 400 anos -disse Lambert.

- Lá no baixo Lemanak eles pescam com lanças, caçam com zarabatanas

e lavram o campo com pedaços de pau. Quando se consegue meter uma ideia

nas cabeças deles, vem um Clifton-Meek e enterra-a num monte de papéis.

- Bem, Kelno, com o tempo vai compreender a inutilidade de tanto

esforço. Aqui as coisas andam muito lentamente. E, além disso, a maioria dos

ibans são boa gente, mas pensam e vivem dum modo diferente do nosso.

- São uns selvagens, uns selvagens miseráveis.

- O senhor acha realmente que sejam selvagens?

- O que é que posso pensar mais?

- Isso é muito estranho vindo do senhor, Dr. Kelno.

- O que quer dizer?

46

- Nós não procuramos meter-nos na vida passada de quem chega aqui.



]Mas o senhor foi prisioneiro num campo de concentração. O que quero dizer

é que, depois do que passou na Polónia, tudo obra dum povo civilizado,

parece-me um bocado difícil definir quem sejam realmente os selvagens neste

mundo.


Capítulo décimo

A maior parte do tempo, Adam evitava participar na mesquinha e cansativa

sociedade local, dos funcionários britânicos de Fort Bobang.

O seu único amigo era, na realidade, Ian Campbell, um zangado escocês

que superintendia a cooperativa duma pequena plantação de borracha, com

escritório em Fort Bobang, onde se faziam as operações de armazenagem

e embarque. Campbell era um homem despretensioso, com um vasto

conhecimento dos clássicos e de literatura, que cultivava durante os longos

períodos de solidão. Era dado à bebida, ao xadrez, à franqueza, rude aos olhos

dos obtusos coloniais, mas cheio de sabedoria no que se referia à selva e aos

nativos.

Era viúvo, tendo sido casado com a filha dum plantador francês, e tinha

quatro filhos pequenos que eram criados por um casal de chineses. Quem tratava

dele era uma linda jovem eurasiática, dos seus dezoito anos.

Campbell ensinava os filhos, fazendo-os estudar assuntos muito para além

das suas idades, com o zelo dum missionário baptista. A sua amizade com

Kelno começou quando os seus filhos se matricularam nas aulas informais

que Ângela dava às crianças de Fort Bobang.

O seu filho mais novo chamava-se Terrence e era um ano mais velho que

Stephan Kelno. Os dois, em pouco tempo, fizeram uma amizade que iria

durar toda a vida.

Tanto Stephan como Terrence adaptaram-se rapidamente àquele remoto

lugar, e ambos pareciam capazes de se sobreporem às desvantagens do

isolamento. Os meninos eram como irmãos, sempre juntos, e a sonhar com o

mundo lá para além do mar.

E, quando chegaram aqueles dias de depressão, em que Adam se introvertia

assustadoramente, era Campbell quem Ângela chamava para trazer o

seu marido de volta à vida.

As tempestades chegaram. Os rios enfurecidos tornaram-se inavegáveis.

E, com aquele acontecimento, a funesta profecia de MacAlister começou a

realizar-se. Ângela teve um terceiro aborto natural e tiveram de providenciar

Para que ela não mais engravidasse.

47

Desanimado pelo calor, encharcado pela chuva, o Dr. Kelno começou a



beber. As suas noites eram quase uma loucura, com insistentes pesadelos que

o transportavam ao campo de concentração. E também aquele pesadelo especial

da sua infância, em que um grande animal, um gorila, um urso, um

monstro não identificável, o perseguia encurralando-o e, finalmente, o desfazia.

A espada ou a arma que ele trazia, era sempre insuficiente para deter o

ataque. Quando já não podia mover-se, a sua respiração tornava-se mais e

mais difícil e, quando estava quase a morrer sufocado, ele acordava a suar, o

coração acelerado, soluçando e, às vezes, a gritar de terror. Os mortos do

campo de concentração de Jadwiga, onde o fluxo de sangue das operações

nunca parava, perseguia-o, a martelar-lhe o cérebro.

A chuva caía impiedosa.

Cada manhã ele levava mais tempo a levantar a cabeça do travesseiro,

trémulo pelos efeitos do álcool e dos pesadelos.

Uma lagartixa correu pelo soalho. Adam levantou o pé, sem interesse. Ele

estava no seu estado habitual àquela hora da noite, os olhos vermelhos, a

barba crescida.

- Por favor, Adam, come alguma coisa.

Ele resmungou uma resposta ininteligível.

Ângela dispensou os empregados com um aceno de cabeça.

Stephan Kelno era muito pequeno, mas podia reconhecer o cheiro da bebida

e virou o rosto quando o seu pai o beijou, ao levantar-se da mesa.

Adam piscou e apertou os olhos, a tentar focalizar as coisas. Ângela, a

pobre Ângela, ficou sentada, num cansado sofrimento. Tinha agora cabelos

brancos nas suas têmporas. Ele fizera-os aparecer, com o seu pincel de tinta

cor de amargura.

- Creio que deverias fazer um esforço, tomar um banho e barbear-te para

podermos ir até à casa dos Lambert, cumprimentar os novos missionários disse

ela.


- Senhor Deus, será que não podes parar com essa mania de querer

deixar o teu próprio filho à mercê desses canibais? Missionários! Será que

pensas que Jesus vem até um lugar como este? Jesus evita estes lugares...

Campos de concentração, prisões inglesas. Jesus sabe muito bem como evitar

confusões. Diz aos missionários... quero que os caçadores de cabeças os

apanhem!


- Adam.

- Vai cantar todos os hinos com Mercy Meek. Que amigo temos nós em

Jesus. Salve Maria. Mãe de Deus. Vira o rosto para longe de Sarawak.

Ângela levantou-se da mesa, zangada.

- Primeiro, dá-me uma bebida. Nada de sermões. Só uma bebida. Até

mesmo o maldito gim inglês há-de servir. ”Ah, ah”, diz a abstémia e

amante esposa sofredora, ”o que não precisas é realmente de mais uma bebida.”

- Adam!


48

- Assunto do próximo sermão: ”O meu marido não tem relações

comigo há mais dum mês. O meu marido é impotente.”

- Adam, por favor, escuta-me. Há rumores a correr por aí de que vais

ser despedido.

- Onde ouviste isso?

- Clifton-Meek sentiu-se muito feliz em poder esbofetear-me com essa

notícia. Quando soube disto escrevi para MacAlister, em Kuching. Estão todos

profundamente preocupados.

- Bravo! Eu estou cheio de canibais e de ingleses.

- Para onde pensas que podes ir, se saíres daqui?

- Enquanto eu as tiver - disse ele, levantando as mãos para ela,

encontrarei emprego.

- As tuas mãos já não são tão firmes como dantes.

- Onde meteste a maldita da minha bebida?

- Está bem, Adam, é melhor que ouças tudo duma vez. Eu cheguei ao

ponto da saturação. Se fores despedido, se não te controlares e continuares

desta maneira, eu e o Stephan não ficaremos contigo.

Ele fixou os olhos nela.

- Nós temos suportado tudo em silêncio. Nunca nos queixámos da vida

aqui em Sarawak. Há uma coisa, Adam, da qual não poderás nunca duvidar:

a minha lealdade. Se for preciso ficarei aqui para sempre. Mas não vou

continuar a viver com um bêbado que já desistiu de tudo.

- Estás mesmo a dizer a verdade, não é?

- Sim, estou. - Ângela virou-lhe as costas e saiu para ir a casa dos

Lambert.


Adam Kelno gemeu, escondendo o rosto nas mãos. A chuva torrencial

escureceu a sala, até que os empregados entraram e a inundaram de luz. Ele

continuou sentado, a tentar recuperar o raciocínio dificultado pelo álcool;

depois levantou-se, a cambalear, e foi olhar-se ao espelho.

- Seu estúpido bastardo! -disse para si mesmo.

Adam entrou no quarto de Stephan. O menino, já deitado, olhou-o com

apreensão.

”Meu Deus”, pensou. ”O que é que eu estou a fazer? Esta criança é a

minha vida.”

Quando Ângela chegou encontrou Adam a dormir numa cadeira, no

quarto de Stephan, tendo ao colo o filho. Um livro de histórias, já muito lido,

caíra para o chão. Ângela sorriu. Adam tinha-se barbeado. Quando ela o beijou,

ele acordou e delicadamente levou Stephan para a cama. Depois correu o

cortinado em volta dele e, abraçando a mulher, saíram do quarto.

Ian Campbell voltou duma longa permanência em Singapura a tempo de

ajudar o amigo. Dedicou-se a trazê-lo de volta da dolorosa viagem, através da

estação das chuvas. E conseguiu-o com longas partidas de xadrez, as crianças

49

a correr e a brincar à roda deles. ”Se Campbell pôde vencer, sozinho, sem



mulher e com quatro filhos”, pensou Adam, ”eu também vou poder”. E

achou a força dentro dele.

- Nada é tão ruim, Adam, que justifique transformares o teu filho num

bêbado, levando uma vida de miséria. É bom que penses, homem, que não foi

ele quem quis vir para Sarawak.

Adam Kelno compreendeu que devia muito a Campbell. Descobriu que

poderia compensá-lo através do pequeno Terrence. Uma vez por outra, ele

surpreendia o garoto com os olhos pregados na janela da enfermaria, o rosto

cheio de admiração.

- Entra, Terry, não fiques aí fora, com essa cara de macaquinho

Lampur.

A criança entrava na sala e ficava, horas a fio, a ver o Dr. Adam, o



mágico Dr. Adam, a curar as pessoas. Como recompensa o Dr. Adam pedia-lhe

que o ajudasse em pequenas coisas. E ele sonhava em tornar-se médico.

Quando o Dr. Adam estava de bom humor, e Terry conhecia todos os

seus estados de espírito, ele fazia uma série de perguntas sobre medicina.

Mais de uma vez Adam desejou que isto acontecesse com o seu filho. Mas

Stephan estava sempre lá fora, a trabalhar com martelo e pregos... a fazer

uma jangada, uma casa nas árvores.

Deus tem caminhos estranhos”, pensava Adam, aceitando sem aceitar.

Uma coisa era óbvia: se Terrence Campbell tivesse uma ténue oportunidade,

ele tornar-se-ia ”médico.



Capítulo décimo primeiro

A estação das chuvas chegou ao fim. Adam Kelno retornou à vida.

Uma pequena sala cirúrgica, para atender a operações ligeiras, foi instalada

em Fort Bobang. MacAlister veio de Kuching para a inauguração e

ficou alguns dias. O que ele viu na sala de operações foi uma revelação. Adam

operou um bom número de casos, tendo Ângela como assistente. MacAlister

presenciou a transformação pela qual passava Kelno quando tinha nas mãos o

bisturi. Ele era dono duma técnica maravilhosa, os seus movimentos eram

perfeitos, assim como o seu controlo e a sua concentração.

Algum tempo depois um radiograma da polícia chamou o Dr. Kelno a

Kuching, para fazer uma operação de emergência. Um pequeno avião foi

enviado a Fort Bobang para o levar. Logo se tornou um hábito da colónia

inglesa, em Kuching, recorrer à capacidade do Dr. Kelno, em vez de viajar

até Singapura.




Yüklə 3,25 Mb.

Dostları ilə paylaş:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   20




Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©muhaz.org 2022
rəhbərliyinə müraciət

    Ana səhifə