Fortune, uma mulher impiedosa. Bertrice small



Yüklə 1,15 Mb.
səhifə23/26
tarix31.10.2017
ölçüsü1,15 Mb.
1   ...   18   19   20   21   22   23   24   25   26

— Levante-se — orientou-a Jasmine. — Vamos caminhar um pouco. Isso ajuda a acelerar o processo, meu bem. Lamento ter de dizer isso, mas os bebês não costumam ser razoáveis ou sensíveis na hora do parto. Eles nascem quando nascem, e isso é tudo que se pode prever.

— Não é particularmente animador, mamãe.

A porta do quarto se abriu, e as duas criadas gêmeas de Jasmine entraram.

— A jovem Bramwell manda perguntar onde quer que seja montada a mesa de parto, milady — adiantou-se Rohana.

— Aqui, perto da lareira. E mande-a trazer também o ber­ço, e toalhas e faixas. — Começava a ser tomada de assalto pe­las lembranças. Seu filho, Charlie, havia nascido ali, em Queen's Malvern. O pai dele, o Príncipe Henry, estivera presente. Pri­meiro se mantivera atrás dela, apoiando seus ombros, encorajando-a com suas palavras doces, massageando seu ventre enrijecido com mãos gentis. Ele parecia ser movido por um ins­tinto, como se soubesse naturalmente o que fazer, embora mais tarde houvesse admitido nunca ter visto outro parto antes. E, quando ficara evidente que a criança estava prestes a nascer, ele chamara Adali para ocupar seu lugar, contornara a mesa, empurrara delicadamente a avó dela, Skye, para o lado, e trou­xera ele mesmo o filho ao mundo. Jasmine sentiu as lágrimas brotando em seus olhos e virou-se depressa. Henry Stuart ha­via sido um homem muito doce.

— Mamãe! — gritou Fortune. — Não sei se posso continuar andando. A dor está ficando pior, e as contrações acontecem em intervalos cada vez menores!

O dia começava a clarear o céu do lado de fora da janela, e Fortune estava em trabalho de parto havia horas.

— Vamos ajudá-la a subir na mesa de parto — orientou Jas­mine as criadas.

Toramalli ajudou Fortune a se acomodar, enquanto Rohana se colocava atrás dela para amparar seus ombros.

— Vi sua mãe e seus irmãos nascerem — contou Rohana. — Agora verei seu filho vir ao mundo, milady Fortune. Lamento que tenha de nos deixar. Não verei as outras crianças que você e seu belo marido trarão ao mundo.

— Odeio meu marido! — gritou Fortune. — Como ele pôde fazer isso comigo e depois ir embora para o Novo Mundo en­quanto eu fico aqui, sofrendo e sentindo dores? A criança não vai nascer nunca? Mamãe, está demorando demais!

— Está falando como sua irmã Índia — respondeu Jasmi­ne. — Eu avisei, meu bem, que a criança nasce quando nasce. E isso é tudo o que se pode prever.

Várias horas se passaram, até que, no meio da tarde, a cabe­ça do bebê finalmente apareceu. Jasmine incentivava a filha a fazer força para expulsar a criança de seu corpo. Devagar. De­vagar. Primeiro o topo da cabeça. Depois a cabeça inteira e os ombros. Finalmente, o bebê deixou a proteção do corpo mater­no. Seus olhos se abriram e encontraram os da avó. O grito ul­trajado soou forte no quarto.

— É uma menina — anunciou Jasmine, encantada.

— Menina? — perguntou Fortune. Sua voz soava aliviada e exausta. — Deixe-me vê-la, mamãe. Coloque-a em meus braços.

Jasmine atendeu ao pedido, e Fortune gritou.

— Ela está coberta de sangue, mãe! Está ferida?

— O parto é um negócio sangrento, como minha avó disse certa vez ao Príncipe Henry. Vamos limpá-la em um minuto. Ela está ótima, Fortune, e é saudável e forte. Escute-a chorar e abençoe sua filha.

Fortune olhou para a criança em seus braços. O rosto ver­melho estava contorcido, como se sentisse raiva, e os olhos per­maneciam fechados, embora a boca estivesse bem aberta. Ela chorava furiosamente.

— Shhh, bebê — foram as primeiras palavras dela para a filha. A criança silenciou e abriu os olhos, fitando diretamente os dela. Fortune experimentou uma espécie de choque e foi imediatamente tomada por um amor como jamais imaginara ser possível sentir. — Os olhos dela são azuis! — comentou ela, maravilhada.

— Todos os bebês têm olhos azuis. — comentou Jasmine, satírica. — Deve se lembrar disso, meu bem. Você foi minha terceira filha. Viu muitos irmãos nascerem.

— E ela é careca.

—As meninas normalmente são. Mas já posso ver uma som­bra avermelhada — Jasmine tocou a cabeça da neta. — Que nome vai dar a ela?

— Aine. Ela terá o nome da irmã mais nova de Kieran. Não esperava uma menina, mãe. Tinha certeza de que seria um fi­lho e pretendia dar a ele o nome James, como papai. Agora sin­to que minha menina deve se chamar Aine. Aine Mary Devers é o nome que ela receberá no batismo. E será batizada católica, pois sei que o pai dela desejaria que assim fosse.

— Não pode trazer um padre à casa de seu irmão, consi­derando a posição que ele ocupa. Sua filha terá de ser batiza­da na igreja da Inglaterra. Quando você e sua Aine chegarem a Mary's Land, então poderá fazer o que quiser. Mas aqui, na Inglaterra, seguirá as leis da terra como faz a própria rainha. Entendeu?

Fortune assentiu.

— Agora, deixe-me limpar minha neta, e você também pre­cisa receber os cuidados que sucedem o parto. Precisa expelir a placenta, para que ela seja plantada sob um carvalho na pro­priedade. Assim, Aine Mary Devers será sempre forte. — Jas­mine pegou a criança e a entregou a Toramalli. Depois, encora­jou a segunda filha a terminar seu trabalho de parturiente. Quando mãe e filha foram devidamente limpas, Fortune foi posta em sua cama, e Aine, no berço, com a fiel Rohana sentada ao seu lado para velar seu sono. Jasmine serviu à filha uma bebida revigorante.

Devagar, Fortune sorveu o líquido. Sentia-se cansada, es­gotada. Seus olhos se fecharam, e Jasmine recuperou o cálice vazio. Ela sorriu ao ver a filha adormecida. Como os anos ha­viam passado depressa! Mas sentia-se grata por ter podido es­tar com Fortune naquele momento. Logo sua filha partiria, e era pouco provável que voltasse a vê-la um dia. Não se sentia com disposição para atravessar oceanos. Não mais. Ela acari­ciou a testa de Fortune com enorme carinho, depois se aproxi­mou do berço para estudar as feições da neta mais nova. A crian­ça era clara como a mãe dela havia sido ao nascer. Kieran Devers não ficaria desapontado, e ainda teriam tempo para muitos outros filhos quando Fortune chegasse em Mary's Land.

— Fique aqui cuidando das duas, Rohana — ela orientou a criada. — Em alguns instantes mandarei Joan, ou Polly, e então você poderá descansar.

— Sim, milady. Ela é uma linda menina, não é? É uma pena que não a veremos crescer.

Jasmine suspirou.

— Também lamento muito, mas Aine tem o próprio desti­no a cumprir, e só o tempo poderá revelar qual é ele.

Capítulo 16


— Mamãe! Mamãe! O capitão do Cardiff Rose está aqui! — Fortune gritou, animada. — Oh, senhor, já imaginávamos que não viria nunca! Diga-me, como está meu marido? Porfavor! Quando partiremos para Mary's Land? — Ela se virou. — Róis, temos de começar os preparativos com a bagagem!

— Capitão OTlaherty? Sou Jasmine Leslie — apresentou-se a duquesa de Glenkirk, caminhando para o visitante com a mão estendida.

Ualter tomou a mão fina e beijou-a.

— Somos primos, senhora, netos da gloriosa Skye 0'Malley. Como nunca nos encontramos, quis vir pessoalmente para en­tregar a mensagem de Kieran à esposa, sua filha. Espero que perdoe minha chegada inesperada. Não tive tempo para me fazer anunciar com antecedência. — Ele se curvou com elegân­cia, sorrindo para as duas mulheres e pensando que a beleza de sua prima Jasmine não havia sido exagerada por aqueles que a haviam descrito. O vestido de veludo vermelho que ela usava certamente realçava a intensidade do contraste entre cabelos negros e brilhantes olhos azuis. E a esposa de Kieran era igual­mente bela, com seus cabelos vermelhos e olhos verdes. Tão parecida com Skye 0'Malley!

— Você é muito bem-vindo, primo. Deve ser um dos filhos de meu tio Ewan, não?

— Sou o mais novo — confirmou o capitão.

— Fale-nos de Mary's Land — pediu Fortune.

— Acho que devemos antes oferecer uma bebida e alimen­to ao nosso primo e convidá-lo a se sentar perto da lareira — disse a duquesa à filha. — Junho é um mês desconfortável. Quente num minuto, frio no outro... Chove há três dias. A via­gem deve ter sido gelada e úmida.

— A vida no mar nos ensina a enfrentar qualquer clima sem muitos problemas, especialmente as intempéries, senhora — ele sorriu, aceitando o cálice de vinho que Jasmine oferecia.

Os três se sentaram diante da lareira do salão, e o capitão entregou a Fortune a encomenda de que era portador.

— O que é isso? — perguntou ela, girando o pacote entre as mãos.

— Seu marido manteve um registro diário de suas experiên­cias e agora o envia acompanhado por uma carta, milady Fortune. — OTlaherty saboreava o vinho com prazer e apreciação.

— Ele está bem, capitão? Meu marido...?

— Gozava de excelente saúde e disposição quando o dei­xei, milady. A travessia foi a melhor possível, e soube por ou­tros capitães habituados a essa rota do Atlântico que nenhum deles jamais teve melhor viagem. O povo da Virgínia nos rece­beu bem, e a terra onde será implantada Mary's Land é linda, mais do que se pode descrever. Mas o diário de seu marido con­tém tudo que deseja saber, minha cara senhora. Trouxemos uma carga de peixe salgado que embarcamos na colônia Plymouth, onde fizemos uma parada durante nossa viagem de volta, e peles de castor e de raposa. Assim, faremos dessa viagem uma fonte de lucro para milady.

— Vai permanecer conosco por alguns dias, primo — con­vidou Jasmine.

— Será uma honra, senhora.

Fortune abriu o pacote enquanto conversavam. Era uma grande tentação ler antes a carta de Kieran, mas, em vez disso, começou pelo diário da viagem, compreendendo que ele o ha­via criado com a intenção de integrá-la na empreitada de que não pudera participar, mas que logo seria o ponto de partida para uma nova vida. Ela passou a tarde lendo, e os criados já preparavam a mesa para a refeição noturna quando ela final­mente abriu a carta do marido. A mensagem a fez emitir uma exclamação contrariada e contida.

— Tem idéia do que diz esta carta, capitão?

— Sim, eu tenho — ele confirmou.

— E concorda com a avaliação que meu marido faz da si­tuação? Ele não está piorando o quadro, descrevendo algo mais sombrio do que realmente é a realidade? Sei que Kieran deseja ter tudo perfeitamente arranjado para mim quando eu chegar, mas não precisa ser perfeito, primo.

— Não, milady Fortune. Ele não está equivocado. Mary's Land é selvagem, e a orla norte onde está o primeiro assenta­mento é uma região de floresta densa e fechada. Ainda há mui­to trabalho a ser feito até que se possa tornar a área habitável para pessoas civilizadas. As poucas mulheres que viajaram no Ark e no Dove estão enfrentando grandes dificuldades.

Fortune suspirou, irritada. Não era isso o que desejava ouvir.

— Qual é o problema, afinal? — perguntou Jasmine, curiosa.

— Kieran não nos quer na colônia até o próximo verão. A terra ainda não foi dividida, e ele afirma que estão todos viven­do em um povoado indígena com os selvagens. Eu sabia que devia ter ido!

Jasmine olhou para o Capitão OTlaherty.

— Chegamos ao final de março, somente — ele começou a explicar. — A expedição sofreu um atraso depois de ter ficado um mês retida em Isle of Wight. O Governador Calvert man­dou uma mensagem ao Cardiff Rose, que estava ancorado em Cape Clear, conforme havia sido combinado. Ele nos orientava a seguir viagem para Barbados. Percorremos uma rota mais lon­ga pelo sul, pois precisávamos nos garantir contra a instabili­dade do clima de outono.

— Uma sábia precaução — apoiou Jasmine.

— O Ark só chegou em janeiro. O Dove surgiu no horizon­te dez dias mais tarde. Quando terminamos de providenciar suprimentos e água fresca e partimos pelo mar do Caribe, bus­cando o norte no caminho que passa pelas colônias espanho­las, já era primavera. Paramos nas Virgínias, onde permanece­mos por alguns dias, e depois seguimos para Mary's Land. A colônia foi fundada no dia 25 de março.

— No dia em que Aine nasceu! — exclamou Fortune.

— Aine? — perguntou ele, confuso.

— Aine Mary Devers, minha filha. A criança que me reteve aqui. Tive uma filha no dia 25 de março, e Róis, minha criada, esposa de Kevin, teve um filho, Brendan, dois dias mais tarde, em 27 de março.

— Seu marido ficará muito feliz. Ele se preocupou muito com sua saúde e a da criança, milady. Mal posso esperar para ver a expressão em seu rosto quando eu der a notícia.

— Eu mesma irei dizer a ele — afirmou Fortune.

— Espere, meu bem — interferiu Jasmine, firme. — Quero saber mais sobre as condições de vida em Mary's Land. Como estão as coisas por lá neste momento, primo?

— Os colonizadores encontraram um povoado dos índios Wicocomoco à margem de um pequeno rio ao norte do Potomac. O governador gostou da região e pediu permissão ao chefe local para começar o assentamento ali. A área é irrigada e tem um local de águas profundas para receber os navios. Os índios enfrentavam dificuldades com uma tribo maior, os Susquehanocks, mais belicosos. Eles planejavam transferir o povoado para outra localização. Concordaram em dividir a área conosco, desde que fornecêssemos a proteção necessária até que eles possam se mudar. Os colonizadores estão vivendo em cabanas indígenas, habitações feitas de mato, lodo e galhos, co­bertas por peles de animais. Tudo é muito primitivo e rústico. Quando os índios finalmente partirem, os colonizadores construirão primeiro uma fortificação com um quartel, uma panca­da e um galpão, que servirá de depósito para armazenar comi­da. Esse trabalho vai exigir a cooperação de todos os homens. Ninguém vai poder construir a própria casa até que o forte seja erguido.

"Agora mesmo o Cardiff Rose está embarcando mais supri­mentos para a colônia. O governador deu ordens para que não sejam levadas mais mulheres, e certamente crianças, até o ano que vem, quando a colônia estará mais habitável. Seu marido vai para a Virgínia comprar animais de criação e galinhas. Na verdade, ele já se preparava para viajar quando eu parti. Seus homens trabalhavam duro. A Senhora Jones e Taffy são uma verdadeira bênção para a colônia. E era esse o panorama geral no dia em que deixei o local."

— Se o governador deu ordens, você não pode ir, Fortune — decidiu Jasmine. — É simples. Ou vai comigo para Glenkirk, ou permanece em Queen's Malvern. Sei que Charlie não vai se incomodar se ficarmos. Eu ficarei com você, é claro, até o mo­mento de sua partida, meu bem.

— Como suporta passar tanto tempo longe de papai? Não, mãe. Você deve voltar para Glenkirk.

— Seu pai não vai se opor a mais um verão na Inglaterra, desde que possa voltar à Escócia para a temporada de caça.

Jasmine riu. Ela não tinha a intenção de deixar Fortune. A segunda filha nunca fora tão voluntariosa quanto a primeira, mas sabia que ela seria bem capaz de seguir para Liverpool e embarcar com Róis e as crianças no Cardiff Rose valendo-se da autoridade de proprietária. E isso era algo que ela não podia permitir. Sua filha esperaria até o governador anunciar que mulheres e crianças podiam seguir para Mary's Land.

— É melhor escrever para Rory Maguire e informá-lo dos últimos eventos. As mulheres na Irlanda precisam saber que terão de aguardar um pouco mais pelo momento de partir. Explique as condições primitivas e não se esqueça de dizer que todas vocês viajarão no próximo verão — sugeriu a duquesa.

— Ainda acho que o Governador Calvert está exagerando na cautela — resmungou Fortune.

Jasmine sorriu brandamente.

— Assim vai ser melhor para as crianças, meu bem — justi­ficou ela.

— Mas não para Róis nem para mim. Sinto falta de meu marido em minha cama, e sei que Róis também sente falta de Kevin.

Jasmine e Ualter OTlaherty riram do comentário franco.

É uma alegria constatar que as mulheres da família ain­da têm sangue quente nas veias — comentou o capitão, rindo ao ver Fortune corar violentamente.

James Leslie chegou de Glenkirk para se juntar à esposa e às filhas em Queen's Malvern. Com a neta mais nova nos braços, sorria orgulhoso, e não poupava elogios à beleza da menina. Sua filha mais nova escondia o rosto entre as mãozinhas cada vez que via o pai nas primeiras duas semanas dele em Queen's Malvern. Então, um dia, Autumn sorriu para o pai, e já eram amigos novamente. Foi um alívio para o escocês, que já havia encontrado um local especial para aquela menina em seu cora­ção. Não conhecera Índia nem Fortune nessa idade tão tenra.

— Quero que volte para casa comigo em setembro — disse James à esposa certa noite, quando estavam sentados no salão.

— Receio deixar Fortune sozinha. Temo que ela embarque para o Novo Mundo para ir se juntar a Kieran. Ela sofre com a ausência do marido.

— Fortune é uma mulher adulta. Farei com que ela dê sua palavra de honra de que vai esperar pelo Cardiff Rose para levá-la no ano que vem, querida Jasmine. Quero-a de volta em Glenkirk. Se você e Autumn ficarem aqui, ela me esquecerá novamente. Não posso ficar e deixar Patrick sozinho por tanto tempo. Ele precisa da nossa orientação para um dia poder co­mandar o lugar. Você precisa voltar para casa, Jasmine.

— Não, meu Jemmie, eu devo ficar. Quando Fortune for embora, quando voltarei a vêla? Autumn vai fazer apenas 2 anos. Volte para Glenkirk em setembro e retorne para se juntar a nós antes do Natal. Patrick é um homem. Ele pode cuidar de tudo sem sua ajuda. Vai mesmo ser capaz de voltar para a Escó­cia no final do verão, sabendo que nunca mais verá Fortune? Precisamos de você conosco, meu amor. Serão só alguns meses.

Ele concordou, como Jasmine sabia que seria. O verão che­gou, e no final de agosto, o duque de Glenkirk voltou para a Escócia, prometendo retornar em dezembro. Charlie juntara-se a eles para o verão e agora retornava à corte para apoiar o rei na interminável batalha contra os puritanos. Eles se fortaleciam a cada ano e desaprovavam abertamente tudo que se relacio­nasse ao rei e à sua rainha francesa e católica, apesar de ela já ter dado ao marido e ao reino quatro filhos — dos quais três estavam vivos e dois eram homens — e de estar novamente grávida. Nem mesmo o batismo de cada príncipe e princesa na Igreja da Inglaterra os contentava. O Parlamento fora dissolvi­do anos antes, mas os puritanos eram cada vez mais difíceis e não hesitavam em condenar e criticar o rei.

Em outubro, um cavalheiro chegou a cavalo na entrada de Queen's Malvern. Ele se apresentou como Sir Christian Denby e informou que herdara recentemente uma propriedade vizinha.

— Não sabia que Sir Morton Denby tinha um filho — con­fessou a duquesa, analisando o rapaz diante dela. Ele se vestia com simplicidade e de maneira severa em seus trajes pretos. Só o colarinho branco quebrava um pouco a austeridade do con­junto.

— Ele não teve, milady. Sou filho de seu irmão mais novo. Meu tio foi generoso o bastante para deixar Oakley para mim, já que meu irmão mais velho herdará tudo que pertence a nos­so pai. Vim inspecionar minha propriedade e decidi me apre­sentar aos vizinhos.

— Lamento, mas meu filho, o duque de Lundy, não está na residência, Sir Christian. O tio dele, o rei, solicitou sua presen­ça, como faz boa parte do ano. Sou a duquesa de Glenkirk, e esta é minha filha, Lady Lindley.

Sir Christian se curvou para as duas damas, depois aceitou um cálice de vinho servido por Adali.

— Mora aqui, senhora? — a pergunta era ousada, mas Jas­mine decidiu se divertir com ela, em vez de ficar ofendida. Obviamente, o rapaz tentava entender a situação da terra onde em breve se instalaria.

— Apenas nos meses do verão, senhor. Minha casa fica na Escócia, e minha filha está aqui enquanto o marido está no Novo Mundo. Como ela não pode ir se juntar a ele até o ano que vem, decidi ficar com ela e com minha neta. Trouxe minha filha mais nova comigo porque ela ainda é muito pequena para ser sepa­rada da mãe. E sua esposa, senhor? Não o acompanha?

— Ainda não recebi as bênçãos matrimoniais, madame. Encontrar uma esposa hoje em dia não é tarefa fácil. Gostaria de uma jovem dama que se contentasse com a vida no campo. Ela deve ser devota em sua fé, modesta em sua forma de vestir e falar, obediente à minha vontade, capaz de cuidar de minha casa apropriadamente, capaz de me dar filhos e filhas de boas maneiras e costumes aceitáveis, e também deve ter um dote respeitável. Considero as mulheres de hoje muito irreverentes, ousadas demais.

— Deduzo que é um puritano, então — arriscou Jasmine com tom simpático.

— Sim, eu sou — respondeu o rapaz desafiante, como se esperasse ouvir algum tipo de crítica.

— Somos anglicanos — revelou Jasmine.

— Seu marido está nas Virgínias? — perguntou Sir Christian a Fortune, que nesse momento tinha a pequena Aine nos braços.

— Em Mary's Land, senhor.

— A colônia católica? O rei não devia permitir isso, e não permitiria, por certo, não fossem as intrigas maldosas de sua rainha e dos amigos dela! Seu marido é católico, então.

— Sim, ele é, mas Mary's Land é um lugar onde todos os homens e mulheres de boa vontade poderão viver em paz. Muitos colonos são protestantes, senhor.

— Sim, é o que querem fazer crer, mas nós conhecemos a verdade. Lorde Baltimore espera invadir as Virgínias e conquis­tá-las para os espanhóis, seus aliados.

Fortune riu alto.

— Nunca ouvi nada mais ridículo, senhor. É um tolo se acre­dita nesses rumores, e é errado repetir mentiras e maledicências.

— Então, por que, madame, se me permite a ousadia, não está com seu marido?

— Porque ainda não há abrigo decente para nós, senhor. Irei na primavera, quando a situação estará um pouco melhor.

Sir Christian olhou para a pequena Aine. Estendendo a mão, tocou o queixo pequenino e redondo do bebê.

— Sua filha será criada na Igreja católica?

Aine olhou para o desconhecido e começou a chorar.

— Tire a mão de minha filha, senhor — exigiu Fortune em voz baixa, confortando o bebê.

— Foi um prazer conhecê-lo, senhor — encerrou Jasmi­ne a visita com toda a polidez de que era capaz naquelas cir­cunstâncias.

Sir Christian levantou-se.

— Como pode permitir que sua neta seja criada católica?

— É atrevido demais em suas indagações, senhor, e devo dizer que tenta se envolver em assuntos que não são de sua alçada.

Sir Christian curvou-se rapidamente e saiu. Finalmente, Aine parou de chorar.

— Que homem desagradável — comentou Fortune. — Es­pero que não tenhamos de voltar a vê-lo.

Autumn Leslie comemorou seu 2º aniversário no final de outubro. Jasmine e Fortune fizeram uma viagem de dois dias a Cadby para conhecerem a jovem que Henry Lindley pensava tomar por esposa. Ele se recusara a revelar à mãe o nome de sua pretendida, provocando-a em suas cartas com a promessa de uma grande surpresa. E realmente foi uma surpresa. Henry Lindley havia decidido se casar com Cecily Burke, a filha de Lorde Burke de Clearfields, que era tio de sua mãe. Cecily era três anos mais jovem que Henry, e muito bonita, com seus ca­belos escuros e os olhos azuis esverdeados da família. Ela era a filha mais nova de Padraic e Valentina.

— Mas como...? — reagira a duquesa com espanto genuíno.

— Entendo sua surpresa, mãe. Não nos víamos desde a in­fância, quando nos encontramos em uma festa grandiosa em Queen's Malvern. Estive na corte no último inverno a convite de Charlie, e lá estava Cecily, dama de companhia da rainha, esco­lhida entre muitas por falar perfeitamente o francês. Foi amor à primeira vista, mamãe. Estive em Clearfields várias vezes, e Cecily esteve aqui em Cadby com sua família em outras ocasiões.

— E você nunca me contou nada? — Jasmine não sabia se devia estar feliz ou zangada. Fortune ria.

— Henry, nunca pensei que fosse um romântico — provo­cou ela o irmão mais velho.

— Oh, prima, ele é o maior dos românticos — Cecily con­tou, sorrindo.

Todos riram do comentário ingênuo da futura noiva.

— Tio — falou Jasmine para Padraic Burke — não podia ter me prevenido? Ainda é capaz de escrever, e não se finja de enfermo ou fraco, porque não vai me convencer!

— O que eu poderia dizer? Eu nem tinha certeza de nada! Não até seu filho pedir minha permissão. Ele estava muito preo­cupado por Cecily ser sua prima, mas como não são primos de primeiro grau, decidi que o laço consangüíneo não é de grande importância. O que pensa sobre tudo isso, minha sobrinha?



Yüklə 1,15 Mb.

Dostları ilə paylaş:
1   ...   18   19   20   21   22   23   24   25   26




Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©muhaz.org 2020
rəhbərliyinə müraciət

    Ana səhifə